Mais perto da revolução: Banco Central regulamenta fintechs

Publicado em Atualizado em: 06/05/2019
regulamentação fintechs

O Conselho Monetário Nacional (CMN) do Banco Central aprovou as Resoluções nº 4.656 e nº 4.657 que regulamentam as operações das fintechs. Tratam-se de jovens empresas altamente tecnológicas e focadas em serviços financeiros.

A medida era muito aguardada por este setor que vem ganhando destaque no mercado nacional, mas necessitava de um marco regulatório para flexibilizar e fomentar a operação.

A regulamentação também será uma aliada do governo no seu trabalhado para reduzir os juros. Mesmo com a Selic no piso histórico, o Brasil ainda está no topo do ranking entre os países com a maior taxa do mundo.

Receba nossos conteúdos exclusivos

O que mudou com a regulamentação?

Até então, estas empresas se enquadravam como correspondentes bancários e respeitavam os termos da Resolução nº. 3.954 do BC. Entretanto, nesse modelo era necessário fechar parcerias com bancos para mediar as operações.

A norma permite eliminar os intermediários e consequentemente, reduzir os custos da operação. A partir de agora, essas organizações poderão atuar como Sociedade de Crédito Direto (SCD) e a Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP). Isso significa que poderão conceder crédito com seus próprios recursos e manter contas de pagamento para os clientes.

Quais são os benefícios para o consumidor?

➤ Concorrência: o principal objetivo da regulamentação é fomentar a inovação e a criação de novas empresas dentro do Sistema Financeiro Nacional. Com isso, a oferta de crédito tende a aumentar e os consumidores terão acesso a empréstimos com juros menores e serviços mais eficientes.

➤ Segurança Jurídica: instituições que desejarem operar sem a intermediação dos bancos deverão solicitar uma autorização de funcionamento e terão que fornecer dados ao Banco Central. Isso garante mais segurança ao consumidor que saberá quais são as instituições regulamentadas e poderá se prevenir de golpes na internet.

➤ Segurança Cibernética: as fintechs também deverão seguir padrões de segurança cibernética determinados na Resolução nº 4.658. Portanto, deverão utilizar ferramentas e serviços que protegem informações em caso de ataque.

O mercado nacional de fintechs

De acordo com a última edição do Radar FintechLab, em 2017 houve um crescimento de 34% no número do fintechs atuantes no Brasil. O ano fechou com um total de 332 empresas.

A maior parte (27%), são especializadas em Pagamentos. Seguido pelo segmento de Gestão Financeira (18%) e Empréstimos (17%). Dos quais, destacam-se o Nubank, GuiaBolso e Creditas, respectivamente.

 

Também há empresas atuando no segmento de investimentos, gestão empresarial, câmbio, seguros, financiamento coletivo e criptomoedas. 

Veja como foi a evolução deste mercado nos últimos anos.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de
“O brasileiro é rico, mas ele não vê esse dinheiro na conta corrente”, diz Furio

Fintech

“O brasileiro é rico, mas ele não vê esse dinheiro na conta corrente”, diz Furio

CEO e fundador da Creditas conta como as fintechs estão ajudando a mudar o mercado de crédito e a importância de oferecer soluções aos clientes

Com novo aporte, Creditas expandirá estratégia de reduzir juros do empréstimo no Brasil

Fintech

Com novo aporte, Creditas expandirá estratégia de reduzir juros do empréstimo no Brasil

Investimento liderado por Softbank ajudará fintech a alçar voos maiores na missão de espalhar crédito de qualidade no país

Análise de crédito: cinco passos para não ter o empréstimo negado

Fintech

Análise de crédito: cinco passos para não ter o empréstimo negado

Pesquisa identifica quais os perfis de clientes que conseguem mais aprovações na hora de tomar crédito. Confira dicas para obter êxito no pedido

É da Conta Delas realiza 1º debate da série “mulheres e finanças”

Fintech

É da Conta Delas realiza 1º debate da série “mulheres e finanças”

Painel contou com a jornalista Flávia Furlan, a empresária Michelle Fernandas, a Youtuber Ana Laura e Carol Sandler, do Finanças Femininas

Veja mais
Navegue por temas