Price e SAC: Taxa prefixada ou pós-fixada?

Entenda as diferenças entre as taxas prefixadas e pós-fixadas na visão de especialistas e saiba mais sobre as tabelas SAC e Price.

Na hora de ler o contrato de financiamento ou refinanciamento de imóvel, é importante saber escolher as melhores condições de pagamento. Dependendo do perfil do cliente, é melhor optar pela taxa prefixada (na qual não há variação de valores) ou, então, a taxa pós-fixada (sendo que os valores variam, mas começam mais altos).

Muitos conhecem esse processo como tabelas Price (valor fixo da prestação) e SAC (valores variantes, que tendem a diminuir) respectivamente. Entender sobre essas formas de pagamento possibilita ao cliente uma escolha estratégica e mais inteligente.

É possível optar pela tabela de amortização Price com taxas de juros prefixados ou pós-fixados. Já a tabela SAC está ligada aos juros pós-fixados.

SAC (pós-fixada)

Em geral, os consumidores tendem a gostar mais da tabela SAC com as taxas pós-fixadas. “Os clientes normalmente preferem a pós-fixada, pois os valores são um pouco menores que a pré. Eles na maioria das vezes visam o valor da prestação e acabam nem se importando com o saldo devedor e a variação”, conta Renata Saraiva, gerente comercial do Paraná Banco.

A tabela SAC (pós-fixada) faz com que o valor da prestação fique menor e as taxas variem ao longo dos meses. Por isso, os clientes acabam optando mais por esta tabela.

Price (prefixada)

Mesmo que a tabela SAC atraia mais a atenção dos clientes, que visam somente o valor das prestações, existem também aqueles que preferem mais segurança quanto a variações. “Clientes mais conservadores normalmente optam pela taxa fixa, pois têm medo da variação do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), ou seja, variação da economia”, explica Beatriz Mariano de Souza, consultora do banco PanAmericano.

Se pensarmos em rentabilidade dos bancos, a taxa prefixada seria a melhor. Isso porque ela normalmente é mais alta. Os bancos já fazem um cálculo (espécie de simulação do mercado) para embutir todo tipo de variação que pode ocorrer no período do contrato. Caso a variação não ocorra, o cliente paga da mesma forma.

“Sem dúvida o banco lucra mais com a taxa prefixada. Mas como os clientes podem fazer essa escolha, acabam ficando com as taxas pós-fixadas”, analisa Renata Saraiva.

Postado por Time Creditas

A Creditas nasceu da missão de diminuir os juros no Brasil. Conheça mais sobre a gente em: https://www.creditas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *