Como negociar dívidas e sair da inadimplência

Antes de começar a negociar dívidas, é muito importante traçar um planejamento financeiro para não piorar ainda mais a situação. Saiba por onde começar, quais os melhores caminhos para solucionar a sua vida financeira e como negociar com os seus credores.

Desde janeiro de 2010, quando a Peic começou a ser realizada, mais da metade das famílias permanecem endividadas. Segundo o relatório, mais de 1,5 milhão das famílias não têm condições de pagar as contas. Ficar enrolado em com as despesas é muito comum, por isso é importante começar a negociar dívidas em atraso e evitar maiores consequências.

Essa inadimplência faz com que o nome das pessoas fique negativado. De acordo com um levantamento feito pelo SPC Brasil, em maio de 2017 o número de brasileiros com o nome sujo rompeu a barreira dos 60 milhões. Ou seja, quase 30% da população do país possui restrições no CPF.

Por isso, é interessante consultar regularmente o CPF nas instituições de proteção ao crédito e não ser pego de surpresa quando surgir uma cobrança. A maioria oferece o serviço de graça, mas possui versões pagas que realizam o monitoramento 24 horas por dia.

>> LEIA MAIS: COMO E ONDE CONSULTAR CPF

 

Por que devo negociar minhas dividas?

O quanto antes as dívidas forem negociadas é melhor. Ao deixar de pagar um débito, algumas consequências vão prejudicar o consumidor. Com a inadimplência, o CPF ficará negativado, resultando em restrições de crédito junto às instituições financeiras.

Além disso, haverá um desequilíbrio financeiro, pois a pessoa passa a gastar grande parte da renda no pagamento de juros e a dívida nunca diminui. Quando isso acontece, fica impossível investir o dinheiro para aumentar o patrimônio e realizar os sonhos. E quanto mais o tempo passa, maiores ficam os valores devidos.

Em tempo, muitas pessoas acreditam no mito que depois de cinco anos a dívida prescreve ou caduca. O que acontece é que as empresas de proteção ao crédito devem retirar os nomes dos seus cadastros após esse período. Isso causa uma confusão que pode prejudicar diversos consumidores que não estejam muito bem informados.

>> Entenda porque não vale a pena deixar a dívida caducar

 

Tenho mais de uma dívida. Qual devo negociar primeiro?

As dívidas que devem ser negociadas primeiro são aquelas com os juros mais altos. Por exemplo, débitos como os do cartão de crédito e cheque especial que são conhecidos como bolas de neve. Esse nome popular se dá pelo fato de os juros serem aplicados de forma composta. Isso significa que são aplicados sobre o valor da dívida atualizado mensalmente e não sobre o inicial.

Possuir mais de uma dívida é bastante comum. Entretanto, o grande problema do brasileiro não é ser muito endividado, mas sim, mal endividado.O cartão de crédito é o principal item do endividamento, seguido pelos carnês, crédito pessoal, financiamentos e cheque especial. Já nos EUA, a maioria dos débitos são de financiamento imobiliário e ensino superior.

No Brasil, a média anual de endividamento é de R$ 1.565 per capita. Enquanto que nos Estados Unidos é de R$ 40.256 per capita, mais de 25 vezes maior. No entanto, os juros pagos pelos norte-americanos são em média 10 vezes mais baixos.

 

Como negociar dívidas em cinco passos

Para negociar dívidas, é interessante trabalhar em etapas, sem pular nenhuma para não atropelar o processo. Se você seguir os passos propostos abaixo, vai conseguir quitar as suas dívidas de vez.

 

Avalie a sua situação financeira

Comece listando todas as dívidas pendentes. Saiba quais são as maiores, as que possuem os juros mais altos e as que podem render consequências mais graves como execuções fiscais, por exemplo.

Então avalie o orçamento mensal familiar. Entenda se existem gastos supérfluos que são possíveis de cortar nesse momento inicial. Fique apenas com os custos essenciais durante esse período de reorganização financeira. Após essa análise, verifique se há chances de quitar alguma dívida de imediato.

 

Elabore uma proposta

Agora que a avaliação financeira foi feita, você consegue saber quanto pode comprometer para quitar as dívidas. Estabeleça esse limite de quanto pode pagar por mês para resolver as pendências.

Após isso, prepare uma proposta para cada credor e cada dívida. Defina parcelas que, somadas, não ultrapassem 30% da sua renda. Não se pode comprometer mais do que essa porcentagem em linhas de crédito exatamente por motivos de saúde financeira.

 

Procure um mutirão de negociação

Muitas empresas organizam mutirões de negociação. Isso é feito para tentar recuperar parte das dívidas em atraso. Esse tipo de ação traz benefícios para ambas as partes, já que a instituição consegue, ao menos, parte dos valores de volta e o devedor pode saldar seus débitos.

Um bom exemplo é o Feirão Serasa Limpa Nome. Esse é o maior evento de negociação de dívidas no Brasil. No ano de 2016, quase 40 mil pessoas foram atendidas. Para saber mais sobre os eventos, basta se cadastrar na plataforma da instituição.

A ideia dessa união de pessoas é juntar endividados para solucionar os problemas financeiros com as empresas. Nesses casos costuma-se conseguir condições melhores do que em uma tentativa isolada de negociação.

 

Negocie diretamente com a instituição

Caso não haja nenhum mutirão de negociação prestes a acontecer, não fique parado e entre em contato com a instituição. No tempo de esperar que surja algo do tipo, a dívida está sendo corrigida com juros abusivos.

Solicite uma proposta de pagamento da dívida. Compare com o seu planejamento e confira se é compatível com a sua situação. Se não for, tente a negociação até conseguir um valor que caiba no seu orçamento.

 

Procure uma alternativa

As empresas podem se recusar a negociar ou a aceitar a proposta que o cliente está solicitando. Se for esse o caso, fazer um empréstimo pode ser uma solução. Desde que seja uma linha de crédito com juros baixos e com boas condições de pagamento. Só assine o contrato se a parcela for compatível com o orçamento mensal.

Compare as taxas em bancos, financeiras e fintechs. Descubra quais oferecem as melhores condições de pagamento. Neste texto, explicamos como escolher a melhor opção de empréstimo. Mas caso a pessoa interessada esteja com o nome sujo, pode conferir nossos conteúdos específicos sobre empréstimo para negativados.

Ficar endividado é muito fácil, mas sair dessa situação é bem complicado. Para conseguir é necessário ter muita organização, foco e disciplina para conter os gastos. Portanto, é bem importante que haja uma mudança de hábitos após a negociação das dívidas. Por exemplo, aproveite que agora você tem um planejamento financeiro pronto. Mantenha-o sempre atualizado para acompanhar os seus gastos.

Continue estudando sobre finanças pessoais. Aqui, na Revista Creditas, você encontra textos sobre vários assuntos. Acompanhe as nossas publicações ou assine a Newsletter para receber novidades no seu e-mail.

Você está tentando negociar dívidas ou já passou por uma situação assim? Deixe um comentário contando a sua experiência ou compartilhe as suas dúvidas. Vamos procurar a melhor resposta para você!

Relacionados

Empréstimo para pagar dívidas Estar endividado tira o sono de qualquer pessoa e a primeira coisa que nos vem à mente é: preciso de dinheiro! É importante ter uma boa estratégia nes...
Como limpar nome sujo Embora a inadimplência seja um problema bastante comum, nem sempre sabemos resolver a situação da melhor maneira e acabamos perdendo o sono por causa ...
Entenda o que é Dívida Ativa, consulte e veja como... Os brasileiros estão cada vez mais endividados e não é só com o cartão de crédito. Um levantamento feito pelo time da Revista Creditas com dados do Mi...
Dívida ativa de IPVA: quais as consequências e com... O IPVA é o Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor, tributo estadual aplicado a todo proprietário de veículo. Dividido igualmente entre estados...

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *