Inadimplência: melhora da economia pode ajudar endividados

Economista da Tendências Consultoria aponta o consumo das famílias e retomada de investimentos como pontos fundamentais para a recuperação econômica. Entenda como o processo ajudará os inadimplentes

O ano de 2018 caminha para ser o ponto de virada – e retomada – no mercado de trabalho. Em novembro, o Brasil gerou 58 664 vagas formais de trabalho – as que têm carteira assinada -, o melhor resultado para o mês desde 2010, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. O resultado chega como um alento à economia: se as projeções esperadas se concretizarem, o Brasil encerrará o ano com mais de 500 000 empregos de carteira assinada criados. Com sinais claros apontando para o caminho do crescimento, a expectativa para 2019 é a de que a inadimplência, principalmente a de contas básicas, uma das grandes responsáveis por deixar o cidadão negativado, possa diminuir.

“As pessoas claramente optaram por pagar os débitos com o banco e empurraram as outras linhas [de contas] com a barriga. Então, esse tipo de inadimplência ainda precisa mostrar redução”, explica Alessandra Ribeiro, diretora de macroeconomia e política da Tendências Consultoria. “Com a melhora esperada para a renda [das pessoas] e do mercado de trabalho, esses débitos serão quitados.”

Inadimplência no Brasil: um país de endividados

Ainda que a economia dê sinais claros de recuperação, o número de pessoas negativadas por estarem endividadas ainda é alto. É o que mostra a análise feita pelo SPC Brasil em novembro. De acordo com o levantamento, o país encerrou o mês com aproximadamente 63,1 milhões de brasileiros com o CPF negativado por conta de atrasos no pagamento de contas.

Ainda segundo a análise, os principais motivadores do alto volume de inadimplência no país são as dívidas bancárias – que incluem cheque especial, cartão de crédito, financiamento e empréstimos. Na sequência, surgem os atrasos em boletos como serviços de internet, TV por assinatura e telefonia, e, por fim, contas básicas para o funcionamento da residência, como água e luz.

Hora da retomada

As expectativas e projeções para o próximo ano, porém, são positivas nesse aspecto. A tendência para 2019 é a de que a economia continue gerando empregos formais – e que o volume aumente, inclusive. Se mantiver esse ritmo, a Tendências Consultoria projeta um crescimento de 2% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2019. Em relação ao quadro inflacionário, a expectativa é a de que o IPCA fique um pouco abaixo da meta, em 4,1%. “Também prevemos um ajuste gradual de de juros a partir de setembro de 2019, deixando a Selic em algo como 7,75%”, afirma Alessandra.

Todas essas projeções dão sinais de que com a volta da renda e do emprego formal, as pessoas poderão voltar a investir em outras áreas, seja em consumo, realização de projetos antigos/sonhos e em investimentos. 

Confira, a seguir, trechos da entrevista que a economista e diretora da Tendências Consultoria concedeu à Revista Digital Creditas:

Alguns economistas aumentaram a previsão de crescimento do PIB em 2019. Qual a projeção da Tendências Consultoria e como vocês estão analisando o panorama econômico para o ano que vem?

Esperamos um cenário melhor para 2019. Temos expectativa que a economia ganhe um pouco mais de tração. Projetamos um crescimento de 2% no PIB, dentro de um ambiente de quadro inflacionário favorável, com IPCA em 4,1%, ligeiramente abaixo da meta. Também esperamos um ajuste gradual de juros a partir de setembro de 2019, deixando a Selic em 7,75%. Ou seja, um cenário econômico melhor e mais favorável. Claro que, para isso, é preciso que algumas premissas relevantes aconteçam, como o andamento da agenda de reformas, principalmente na área fiscal.

– O que mais vai estimular o crescimento para o ano que vem?

Consumo e investimento serão os principais drivers para aquecer a economia. Em 2018, o consumo das famílias pode crescer quase 2%. Para ano que vem, a expectativa é que cresça 2.5%. Já os investimentos, crescerão 4,8% em 2018 e 5,5% em 2019. Como o peso do consumo das famílias é muito relevante – 63% da composição do PIB vem do consumo – os 2,5% de crescimento tem um peso muito maior do que o número em si. Dos 2% de avanço esperado no PIB, algo como 1,6% virá do consumo das famílias.

– A retomada do consumo será de maneira natural, como impacto da melhora econômica como um todo, ou haverá algum incentivo para que as famílias voltem a consumir?

O consumo das famílias virá justamente pelo processo natural de renda, decorrente da melhora da economia e dos fundamentos. Esse bom desempenho trará efeitos para o consumo. A economia brasileira não tem condições de incentivar consumo. Então, a melhora dos fundamentos econômicos, com juros mais baixos, retomada do emprego e da renda, vai propiciar um crescimento natural do consumo.

– Nesse sentido, o desemprego continuará reduzindo?

Sim. Já vemos sinais de melhora no mercado de trabalho. Quando olhamos outras métricas, como a de geração de empregos, a gente observa que a economia voltou a gerar empregos. Mais informal que formal, mas há melhora em curso. Então, para o ano que vem, a taxa de desemprego vai cair, mesmo que devagar. A projeção é que fique na média de 11,7% para 2019. [em 2018, ficou em torno de 12,4%]

– Em novembro a inadimplência voltou a crescer, segundo levantamento do SPC. Quais são as expectativas para os próximos meses, levando em consideração que a tendência é que a economia melhore?

As pessoas de modo geral têm dificuldade em lidar com o crédito, não conseguem se organizar no ponto de vista financeiro quando toma um crédito. Olhando para essas estatísticas, a inadimplência em outras linhas fora a de banco continua alta. As pessoas claramente optaram por pagar o banco e empurraram as outras linhas [como contas básicas de internet, varejo e derivados] com a barriga. Esse tipo de inadimplência ainda precisa mostrar a redução. Mas, com a melhora esperada para a renda e para o mercado de trabalho, a tendência é que esses débitos sejam quitados.

– Há um movimento do Banco Central em reduzir as taxas de juros. Isso ajudaria a diminuir o quadro de inadimplência?

O Banco Central possui uma agenda chamada BC +, que tem todo um esforço para reduzir o juro final ao tomador, tanto pessoa física, como jurídica. Não forçando redução de juros como foi feito em 2011 e 2012, mas atacando as questões estruturais – coisas que encarecem os serviços. Há, também, os impactos positivos de maior concorrência no mercado com as fintechs, que contribui para um ambiente de maior competição, forçando instituições a reverem processos. Tudo isso pode, sim, ajudar.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Paula Bezerra

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de
Dívida ativa: entenda o que é mito ou verdade

Finanças Pessoais

Dívida ativa: entenda o que é mito ou verdade

Deixar de pagar contas como IPTU e IPVA pode trazer mais prejuízo do que se imagina

Descubra quanto custa os seguros dos carros mais vendidos

Economia

Descubra quanto custa os seguros dos carros mais vendidos

Corretora Minuto Seguros calculou a média dos seguros dos carros mais vendidos

Renegociar dívidas: 7 motivos para você quitar os débitos

Finanças Pessoais

Renegociar dívidas: 7 motivos para você quitar os débitos

Renegociar dívidas é fundamental para tornar o planejamento financeiro sustentável. Entenda o porquê

Ano novo sem dívida: dê adeus ao nome sujo em 2019

Finanças Pessoais

Ano novo sem dívida: dê adeus ao nome sujo em 2019

Confira como se organizar para começar o ano novo sem estar negativado

Veja mais
Navegue por temas