Revista Creditas - Conteúdo e Informação sobre Finanças

A importância da educação financeira para realizar projetos pessoais

Educação financeira

Um dos principais assuntos que todo mundo deveria estudar desde pequeno é educação financeira. Isso não significa só aprender a cortar gastos, economizar e juntar dinheiro. É um mecanismo para você se conhecer, perceber quais são suas prioridades e manter suas finanças equilibradas durante toda a vida.

O resultado disso tudo é o crescimento pessoal e a estabilidade emocional. Afinal, ninguém fica tranquilo com dívidas acumuladas, a conta no vermelho e sonhos emperrados.

É, na verdade, um modo de você repensar a forma como tem usado seus recursos. Deve perguntar a si mesmo: “ultimamente tem sobrado dinheiro ou uso o salário apenas para as contas?” “Tenho metas financeiras para o futuro?” Ao traçar prioridades você, naturalmente, deixa gastos desnecessários de lado para focar o capital em projetos pessoais.

A melhor parte disso é que você passa a controlar seu dinheiro em vez de se desesperar com a conta bancária. E precisamos destacar: não existe idade mínima ou máxima para começar, o importante é tomar iniciativa.  

O que é educação financeira?

Se você não entende muito bem esse conceito, a ENEF (Estratégias Nacional de Educação Financeira) define como um processo no qual os indivíduos melhoram a sua compreensão em relação ao dinheiro e produtos com informação, formação e orientação. “Nesse sentido, geram-se os valores e as competências necessários para se tornarem mais conscientes das oportunidades e riscos envolvidos. Para assim poderem fazer escolhas bem informadas”.

Ou seja, com a educação financeira você aprende a analisar riscos, benefícios de uma compra e como ela pode impactar seu orçamento. Isso te ajuda nas tomadas de decisões, na hora de encarar um banco oferecendo um produto ou uma roupa em promoção. Com isso também é possível pensar no seu futuro e planejar para onde vai seu dinheiro.

A administradora e consultora de finanças pessoais Laura Melaragno,  define esse conceito como uma educação que a gente não tem, mas que é necessária desde criança para tornar as pessoas mais conscientes com relação, principalmente, ao valor do dinheiro.

Importância e Benefícios

➤ Autoconhecimento: esse processo envolve muitas reflexões, desde a sua relação com o dinheiro até o tipo de compra que você passa a priorizar (ou despriorizar). Querendo ou não você se conhece melhor, pensa no que é mais importante, entende se aquela compra era realmente necessária ou foi só um impulso.

➤ Domínio do dinheiro: quando você aprende a usar seus recursos nos momentos e da maneira certa evita gastos supérfluos. E mesmo na hora de comprar consegue ponderar melhor os preços de acordo com o que cabe na sua renda. Em vez de se perder nas contas e cair no cheque especial, tem a possibilidade de planejar onde vai colocar o dinheiro.

➤ Liberdade financeira e sonhos realizados: quando chegar nesse estágio da educação financeira, significa que o dinheiro trabalha para você. Não precisa mais usar o salário só para pagar contas, mas para investir no que te faz feliz. Afinal, à essa altura você vai conseguir acumular o capital com mais facilidade ao longo do tempo.

➤ Satisfação e equilíbrio emocional: nada melhor do que ver dinheiro sobrando na sua conta bancária e aquele projeto pessoal a caminho de ser concretizado. Embora o clichê seja que dinheiro não traz felicidade, o trabalho de se dedicar às finanças gera resultados positivos. Isso te deixa satisfeito consigo mesmo por ter atingido uma meta, eleva sua autoestima e, consequentemente, garante uma boa saúde emocional. E ainda é um incentivo para continuar poupando e investindo no que realmente vale a pena.

Onde estudar educação financeira

O ideal é que o aprendizado comece desde cedo, quando criança.  Assim, a pessoa inicia a vida adulta sabendo administrar o dinheiro e planejando o futuro.

Entretanto, nunca é tarde para aprender. Afinal o dinheiro faz parte da rotina diária. Mesmo quem já tem contato com a educação financeira desde jovem nunca deve deixar de procurar outros meios para se inteirar sobre o assunto. O mercado muda, aparecem novas soluções financeiras e opções de investimento.

Sem contar as mudanças nas necessidades de acordo com a fase da vida. Em algum momento você paga a universidade, depois vem as prioridades dos filhos, do casamento, da aposentadoria.

E, se você não sabe muito bem onde procurar conteúdos, aqui vão algumas dicas:

Blogs especializados

Canais do YouTube:

Cursos online:

Existem cursos cursos indicados para quem quer aprender aos poucos e se aprofundar.

Jornais e revistas:

11 passos para mudar sua vida financeira

Embora nem sempre esse processo seja repentino, é importante saber quais os passos importantes para atingir o pleno equilíbrio financeiro. Afinal, por onde é melhor começar? Como deixar de comprar aquela blusa na promoção? Confira.

1. Conheça seus gastos

É importante começar pela renda mensal. Muita gente não sabe exatamente tudo que recebe e paga. E, sem isso, fica difícil você mensurar quanto pode gastar sem ficar no vermelho. Por isso, verifique seu holerite e calcule o salário total de todo mês. Se realizar serviços informais, sazonais ou receber comissão não esqueça de adicionar à soma.

Leve em conta especialmente o valor líquido do salário, ou seja, o dinheiro que sobra depois de ter algumas tarifas descontadas do total, como impostos. Assim, você sabe exatamente quanto pode gastar.

Liste também os gastos fixos, como conta de luz, água, de condomínio ou aluguel. Não deixe de repensar os custos variáveis, como academia, serviços de streaming, como Netflix, ou idas a restaurantes, se eles prejudicarem suas finanças e seus planos futuros.

2. Viva com menos do que você ganha

Sobre isso, a administradora e consultora de educação financeira Laura Melaragno afirma: “uma das primeiras dicas que eu dou é começar gastando menos do que recebe”. O ideal é comprometer apenas 30% da sua renda mensal com dívidas, de acordo com a recomendação do Banco Central para conseguir pagar as contas essenciais sem aperto.  

Um dos principais exercícios da educação financeira envolve uma regra que pode direcionar melhor seu dinheiro. Funciona assim: do 100% do seu salário você deve destinar 50% para gastos fixos (conta de luz, água…), 30% para gastos variáveis (lazer, por exemplo), 20% para investir nos seus sonhos.

Mas, isso não precisa ser um padrão. Afinal, as pessoas têm compromissos financeiros diferentes. Se você é casado e tem filhos para criar, gasta mais do que alguém solteiro.

3. Defina metas e prioridades

O que é mais importante para você no momento? Tem algum sonho que envolve muito dinheiro? Depois de ver como está sua situação financeira atual, você precisa definir onde quer chegar. Para isso, pode projetar planos de curto, médio ou longo prazo. Por exemplo:

  • Curto: de 6 meses a 1 ano

(Exemplo: viajar nas férias)

  • Médio Prazo: de 2 a 5 anos

(Exemplo: comprar um carro à vista)

  • Longo: entre 6 e 10 anos

(Exemplo: comprar a casa própria)

A partir da criação de metas, você aprende a controlar melhor as despesas. Afinal, com um objetivo maior, como comprar uma casa ou fazer uma viagem internacional, fica mais fácil deixar o impulso das comprinhas de lado.

O planejamento financeiro é muito importante para isso. E nessa parte entra desde a lista do supermercado para não comprar em excesso até a previsão de quanto você irá gastar na próxima viagem. Inclusive, estipule um valor máximo para cada despesa e evite extrapolar.

4. Planeje a sua aposentadoria

Você deve estar perguntando se a aposentadoria entra como uma meta de longo prazo. Dependendo da idade em que você começar a planejar as finanças, sim. Entretanto, ao mesmo tempo, o é ideal que você não olhe para a previdência como uma meta. Afinal, isso irá acontecer mais cedo ou mais tarde. Isso deve fazer parte dos seus investimentos desde cedo.

5. Reveja seus hábitos

Você tem ou tinha o costume de comprar uma roupinha nova toda semana e usar o cartão de crédito para tudo, sem saber se teria como pagar? Então joga esse hábito ruim para lá. Isso só proporciona uma alegria momentânea e adia ainda mais seus planos a longo prazo. Cada despesa extra e desnecessária somada à sua conta é sinônimo de menos capital para o objetivo final.

Em resumo, você deve aprender a economizar, até para resistir às liquidações e ao lado emocional na hora de consumir. As marcas não deixarão de fazer anúncios, preços e produtos “imperdíveis”.

6. Crie um fundo de emergência

Hoje a situação financeira pode estar boa, mas amanhã, não. A economia brasileira costuma variar bastante e mesmo que você controle o dinheiro é importante ter uma reserva para algum acontecimento inesperado. Pode precisar de capital para uma cirurgia, para a aposentadoria e também ninguém sabe se sempre terá um salário ou faturamento para contar.

7. Pesquise sempre

Não é porque aquele celular está em promoção ou o gerente do seu banco ofereceu um empréstimo aparentemente barato que você vai topar de primeira. Um dos principais passos para evitar despesas excessivas, e mesmo ser enganado, é pesquisar preços, qualidade do produto e reputação de cada empresa.

Hoje em dia, você pode fazer isso pela internet, inclusive verificar sites como o Reclame Aqui, onde muitos consumidores deixam comentários sobre sua experiência com a instituição. Além de checar a Razão Social e o CNPJ da empresa para ver se existe mesmo e evitar fraudes.

Além disso, é possível contar com os sites de busca para se informar cada vez mais, seja por artigos como esse ou por conteúdo audiovisual.

8. Não tenha vergonha de falar sobre dinheiro

Se você divide sua renda com um companheiro, filhos e sabe que suas finanças estão prejudicadas, deixe isso claro. O melhor é colocar a mão na massa e trabalharem juntos para sair dessa. Até porque você pode ficar muito pressionado por ter de tomar todas as decisões sozinho.

Também é importante ter humildade para aprender com quem já passou por isso e com consultores, especialistas em finanças.

9. Fuja das dívidas caras

Imprevistos acontecem e em algumas situações é necessário solicitar um empréstimo. Se esse for o caso, que seja uma dívida barata. Evite dívidas caras e tóxicas como cartão e cheque especial. Existem opções muito melhores, como o consignado e o empréstimo com garantia.

Uma dívida é boa quando tem taxas baixas e quando é realizada com cautela. Veja se a parcela cabe no seu bolso e insira o pagamento no seu planejamento.

Se receber um dinheiro extra, prefira antecipar parcelas em vez de voltar a investir. Poucos investimentos rendem mais que os juros pagos no empréstimo.

10. Registre seus gastos

Anotar seus passos financeiros é um dos primeiros degraus para dominar de verdade seu dinheiro.

Você pode começar calculando quanto você recebe por mês. Nem todo mundo acompanha isso de perto, mas é importante para saber exatamente quanto é possível desembolsar sem prejudicar o orçamento. Verifique seu holerite e não esqueça de contabilizar serviços extras também, por exemplo se você for freelancer.

Depois, você deve anotar os últimos gastos – por menores que pareçam. Dessa forma você visualiza como um todo quanto tem gastado, o que realmente era necessário e o que deve ser priorizado da próxima vez.

Para isso, existem algumas ferramentas muito úteis, como planilha de gastos e aplicativos que organizam suas finanças. Por exemplo, com o Guia Bolso é um app que conecta sua conta bancária e cartões de crédito, sem que você precise separar tudo à mão.  

Laura Melaragno ainda dá a dica de listar em um caderninho se você não for muito fã de computador. É até mais fácil para ir registrando ao longo do dia, conforme você vai no supermercado, na farmácia, paga uma conta, etc. Assim, não corre o risco de esquecer o débito. Depois, para facilitar os cálculos e organizar melhor, você pode dividir as informações na planilha online.

11. Invista

Quando você pensa em investimento já imagina aqueles milhões de reais na bolsa de valores? Então, pode ficar tranquilo porque hoje em dia é possível aplicar em diversas linhas – e colocar quantias mais baixas do que imagina. Só precisa encontrar uma modalidade que se encaixe no seu perfil de investidor.

“Uma pessoa pode começar investindo no Tesouro Direto, por exemplo. O valor mínimo é de R$30 e, na verdade, o importante é criar o hábito de investir. Não precisa colocar só na poupança. Quando você vê a mágica dos juros compostos rendendo percebe que consegue”, explica Laura Melaragno.

 

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de

Recursos Financeiros: como conseguir sem ajuda do banco?

Finanças Pessoais

Recursos Financeiros: como conseguir sem ajuda do banco?

Conheça a empresária que realizou o sonho de expandir o negócio com empréstimo da Creditas

Como consultar Score de Crédito pela internet

Finanças Pessoais

Como consultar Score de Crédito pela internet

Essa pontuação dá um panorama da sua situação financeira e é usada também na análise de crédito das empresas

Consulta IPVA: como e por quê fazer

Finanças Pessoais

Consulta IPVA: como e por quê fazer

É possível verificar o valor do imposto, prazo de pagamento diretamente na internet e entender a importância de consultar.

Organize as finanças pessoais em 10 passos

Finanças Pessoais

Organize as finanças pessoais em 10 passos

Com essas dicas você não precisa mais fugir das dívidas nem lamentar a falta de dinheiro.

O que é Alienação Fiduciária?

Vale a pena entender como funciona porque a alienação fiduciária permite ter acesso a taxas de juros muito baixas.

 

Mais vistos