Educação financeira na infância forma adultos mais críticos

Publicado em Atualizado em: 12/08/2019

Estudo da OCDE mostra que o apoio à alfabetização financeira contribui para a evolução da sociedade – e da economia

O dia 10 de novembro de 2018 marcou a vida da publicitária Natália Ferreira. Adepta a programas voluntários, ela destinou a manhã daquele sábado ensolarado para ensinar cerca de 20 adolescentes de 14 a 18 anos noções básicas de educação financeira. A ação, realizada na escola CEI Sinhazinha Meirelles, no Rio Pequeno, zona oeste de São Paulo, faz parte de uma parceria da fintech Creditas com a Organização Não Governamental (ONG) Bem Gasto, que busca instruir as pessoas a administrarem melhor a renda. Natália participou da terceira ação dessa união, iniciada em maio deste ano. “Medidas como essa fazem muita diferença. Os jovens passam a aprender a importância do dinheiro, a saber se planejar”, diz a publicitária. “E quanto mais cedo a pessoa tem essas informações, melhor.”

A publicitária está certa. Um estudo da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) intitulado por Financial Education in Schools mostra que o conhecimento de educação financeira na infância ajuda a formar adultos com noção de gerenciamento de riscos. Eles evitam assumir dívidas incontroláveis, promovem cuidados com a velhice e com a saúde. Além disso, a análise indica que o não controle saudável das finanças pode gerar um impacto duradouro na vida dos indivíduos, nas relações familiares e até mesmo na sociedade.

Exemplo disso foi a crise global de 2008. No relatório, a OCDE afirma que, embora a base de toda a crise tenha sido provocada pelos financiamentos concedidos para a compra de imóveis nos Estados Unidos, a falta de alfabetização financeira foi um dos agravantes: levaram os mal-informados sobre hipoteca a se endividarem da maneira errada.

“Iniciativas que contribuam para que os cidadãos consumam, poupem e invistam de forma consciente e responsável propiciam melhores condições para o desenvolvimento”, diz José Alexandre Vasco, Superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). “O impacto agregado de milhões de decisões individuais é evidente”, afirma.

educação financeira
Na foto, os voluntários da Creditas na ação em parceria com a ONG Bem Pago // Crédito: Natália Ferreira

Receba nossos conteúdos exclusivos

Educação financeira na infância: faz a diferença  

Atentos a esse cenário e a importância da alfabetização financeira desde a infância, a OCDE recomendou o tema como boa prática no ensino básico (fundamental). A medida foi incentivada pelo órgão em 2005 e pode ser adequada em inúmeros formatos para atender diferentes faixas-etárias.

Alguns países que já adotaram a prática, como os Estados Unidos e o Canadá, por exemplo, notam a diferença. Nos EUA, 27% dos jovens adultos sabem identificar a diversificação de risco com apenas uma simples conta. Enquanto isso, no Canadá, 63% dos jovens adultos ressaltam a importância de se da alfabetização financeira ainda na infância.

educação financeira
Crédito: Igor Nucitelli

No Brasil, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que define o conteúdo mínimo que os estudantes do ensino médio deverão aprender no país, passará a adotar a temática financeira. Aprovada no dia 04 de dezembro deste ano, a base integrará a educação financeira de uma maneira transversal – em outras disciplinas, como matemática, por exemplo – a fim de fortalecer o ensino.

“Para ter uma vida financeira saudável  é preciso de educação, pois passa pelos hábitos da pessoa, pelos conhecimentos e crenças”, diz Flávio Borges, superintendente de finanças do Serviço de Proteção ao Crédito Brasil (SPC). “Países de primeiro mundo, como na Europa e Estados Unidos, o conceito de educação financeira está incorporado na cultura há muito tempo.”

Ações que fazem a diferença

Enquanto o BNCC não entra em vigor – a base estará 100% implementada no ano letivo de 2022 –  outras frentes no país passaram a fomentar iniciativas para introduzir o assunto a crianças e adolescentes. Além da ONG Bem Gasto e a ação com a fintech Creditas, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) também deu um passo nessa direção. 

Em 2007, quando lançou o portal do investidor, o órgão montou uma área voltada para crianças, com atividades destinada a elas e orientações aos pais. “As crianças não apenas podem se tornar adultos mais conscientes em suas decisões de consumo, poupança e investimento, mas não raro tornam-se multiplicadores, levando o tema para a sua família”, relata José Alexandre Vasco, da CVM.

Essa não foi a primeira, nem a última iniciativa da CMV. A mais recente é um projeto experimental para levar educação financeira às crianças ainda durante a pré-escola. Até o momento, uma escola no Rio de Janeiro já se mostrou interessada.

A ideia do programa teria surgido de um modelo já implementado nos Estados Unidos há 40 anos e tem como objetivo desenvolver noções básicas de finanças, comportamentais e de cidadania para crianças a partir de três anos de idade. “O projeto não é propriamente um programa de educação financeira, mas uma contribuição a um esforço de diversas entidades para trabalhar a integridade pública, como recomenda a OCDE”, diz Vasco.

Alfabetização financeira e o desenvolvimento econômico

A relevância que a OCDE dá para a educação financeira na infância não é por acaso. Uma população mais instruída nesse sentido contribui diretamente para o desenvolvimento econômico. Segundo o Superintendente da CVM, iniciativas que orientam os cidadãos a poupar, investir de forma consciente e a consumir sustentavelmente, propiciam melhores condições para o progresso econômico.

Para exemplificar a questão, o especialista apontou a taxa de poupança das famílias, que no Brasil ainda tem muito potencial de mudanças – e crescimento. Uma pesquisa do Banco Mundial deste ano mostra que o brasileiro não tem o hábito de poupar: apenas 11% da população entrevistada (de todas as faixas etárias) guarda dinheiro para a velhice. A instituição ouviu 150 000 pessoas de 114 países, sendo 1 000 delas no Brasil. O resultado colocou o país na 101º posição, atrás de locais menos desenvolvidos economicamente, como mais Filipinas (26%), Bolívia (20%) e Mali (16%).

“Mudar a cultura da sociedade é um trabalho que levará gerações, e estamos apenas no início, mas confio que o trabalho contínuo e consistente nos permitirá superar as dificuldades e transformar o cenário brasileiro”, afirma Vasco.

Quanto mais cedo as pessoas tiverem essa instrução, melhor para a sociedade – e para a economia. E nada melhor que começar na infância.

educação financeira
Crédito: Igor Nucitelli – Importância da educação financeira na infância
Tags:
SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Paula Bezerra

Editora da Revista Digital Creditas, jornalista de coração e alma. Escreve sobre finanças, inovação, economia, cultura e o que mais der na telha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de
12 milhões de pessoas caem em fraudes financeiras: como prevenir?

Finanças

12 milhões de pessoas caem em fraudes financeiras: como prevenir?

Além de prejudicar o orçamento, fraudes podem desencadear problemas psicológicos nas vítimas, segundo estudo do SPC. Saiba como evitar prejuízos

Com preços em alta, como economizar com plano de saúde?

Finanças

Com preços em alta, como economizar com plano de saúde?

Pelo 16° ano seguido, preços de planos individuais sobem acima da inflação. Aprenda a avaliar as ofertas do mercado e economizar na contratação do ser ...

Queda de taxa de juros de financiamento fortalece mercado imobiliário

Finanças

Queda de taxa de juros de financiamento fortalece mercado imobiliário

No primeiro trimestre, vendas de imóveis aumentaram 9% e lançamentos residenciais, 4%. Saiba se esse é realmente um bom momento para comprar o seu

4 lições de Thiago Nigro para quem busca independência financeira

Educação financeira

4 lições de Thiago Nigro para quem busca independência financeira

Em evento realizado neste fim de semana, fundador do canal O Primo Rico orientou 20 mil participantes a cuidarem das finanças

Veja mais
Navegue por temas