Banco Central autoriza Creditas como instituição financeira

Publicado em Atualizado em: 12/04/2019

Com a autorização do Bacen, empresa pode gerar uma Sociedade de Crédito Direto (SCD). Entenda como a medida vai impactar o mercado das fintechs

Creditas

A Creditas, plataforma online de empréstimo com garantia de imóvel e de veículo, recebeu nesta semana a autorização do Banco Central (Bacen) para operar como uma Sociedade de Crédito Direto (SCD). A medida faz com que a fintech ganhe o direito – e independência – para conceder empréstimos diretamente aos clientes, além de outras prerrogativas estabelecidas na Resolução 4.656, de abril de 2018.

Agora, com o título de instituição financeira, a Creditas adotará um modelo híbrido com os parceiros quando for emitir ou ceder os créditos, combinando a atual independência da operação própria com a expertise dos parceiros que trabalham com a fintech –  sendo eles Sorocred, Santana, CHP e Fapa. “A autorização do Banco Central dá à Creditas uma liberdade maior para oferecer produtos de crédito que garantam o progresso financeiro de nossos clientes”, disse Sergio Furio, CEO e fundador da Creditas, em nota à imprensa.

A novidade, no entanto, não impactará os clientes no curto prazo – principalmente aos empréstimos já concedidos ou em processo de análise. O objetivo é que, no futuro, a empresa consiga lançar produtos mais competitivos e inovadores no mercado. “O foco agora é trabalhar muito para extrair o melhor de todas as alternativas e elevar a experiência dos nossos clientes”, completou Furio.

Principal fintech de empréstimo com garantia do Brasil, a Creditas quer aproveitar o momento para continuar expandindo o acesso da modalidade no país. Atualmente, o crédito com garantia corresponde por menos de 50% do mercado. Nos Estados Unidos, por exemplo, esse tipo de empréstimo supera 90% do mercado.

Para Fábio Neufeld, líder da vertical de crédito da ABFintechs e CEO da Kavod Lending, o título de SCD à Creditas reforçará o posicionamento da empresa, principalmente em termos de credibilidade: por se tornar uma instituição financeira, a atuação da Creditas terá supervisão e conexão direta com o Banco Central. “Agora, quem for se financiar com a Creditas, saberá que está lidando diretamente com uma instituição regulada e auditada pela autoridade máxima do mercado financeiro”, explica Neufeld. “Isso também ajuda a fomentar a inovação dentro do mercado financeiro, especialmente no segmento de crédito.”

Assine a Newsletter Creditas!

Receba conteúdos exclusivos dos nossos especialistas em finanças

Creditas e o avanço das fintechs

Creditas

A autorização para a Creditas veio como um impulso e importante aceno às fintechs – empresas que promovem inovação no mercado financeiro por meio do uso intenso de tecnologia. Isso porque a medida aumentará a concorrência do setor como um todo, estimulando, assim, melhores serviços, produtos e práticas de mercado.

Todo esse engajamento em torno das fintechs tem um porquê: tais empresas mudaram a relação do mercado financeiro. Não apenas na interação com os clientes, mas em termos de fazer negócio, como pensar em soluções inovadoras, mais abrangentes e inclusivas. Isso ocorre, porque elas são pautadas em atender necessidades específicas do seu público alvo, seja ele qual for – empresas, instituições financeiras e a população em geral.

No Brasil, o grau de especialização do setor já está tão maduro que, além de o país ser referência na América Latina como um todo, o mercado nacional caminha para se tornar um exportador de tecnologia financeira, unindo-se a ecossistemas já consolidados, como Londres, Nova York e Hong Kong. Um último estudo feito no setor pela PwC, em parceria com a ABFintechs, revelou, por exemplo, que existem mais de 450 empresas desse ramo no Brasil. Do montante, mais da metade atua com meios de pagamento e oferecendo crédito e financiamento.

“Ter a aprovação do Banco Central para operar como instituição financeira é algo extremamente positivo. Mostra que este movimento não tem mais volta e que vai mudar o mercado financeiro brasileiro”, afirma Neufeld. “O fomento da competição favorece os consumidores finais que, cada vez mais, contam com soluções modernas e seguras para crédito e administração financeira”, explica.

O que mudou com a regulamentação das fintechs de crédito

A dinâmica do mercado das fintechs fez com que o Banco Central adotasse uma série de medidas para avançar a regulação do setor. O primeiro grande aceno foi dado em abril de 2018, quando o Bacen aprovou as resoluções nº 4.656 e nº 4.657, que regulamentaram as operações dessas empresas como instituições financeiras. A medida, então, abriu a possibilidade das fintechs terem o direito de atuar como Sociedade de Crédito Direto (SCD), ou como Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP).

Segundo o Banco Central, a SCD permite que a empresa faça operações de empréstimo, financiamento e aquisição de direitos creditórios por meio de plataforma eletrônica, com uso do capital próprio. Já a SEP, garante que a empresa viabilize operações de empréstimo e financiamento entre pessoas por meio eletrônico.  

Antes desse reconhecimento, as startups tinham que percorrer um longo e custoso caminho para terem o título de instituição financeira. Os requisitos exigidos, por exemplo, eram similares aos de grandes bancos, que possuem estrutura organizacional e de trabalho bem diferentes.

Um mercado regulamentado garante mais segurança e transparência ao consumidor. No caso do setor de crédito, a tendência é que o impacto chegue até as taxas de empréstimo, devido ao estímulo à concorrência. “A regulação estimulou a continuidade dos negócios e da inovação. Ainda em 2019, acreditamos que mais fintechs conseguirão suas licenças para tornarem-se SCD e também SEP”, diz Neufeld.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Paula Bezerra

Editora da Revista Digital Creditas, jornalista de coração e alma. Escreve sobre finanças, inovação, economia, cultura e o que mais der na telha.

1 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  1. Roberto Bezerra disse: às 09:07

    Parabéns ao time da Creditas, até que enfim o mercado Bancário começou a se micro-pulverizar e se tornar ao alcance do povo.

    Roberto Bezerra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de
Análise de crédito: cinco passos para não ter o empréstimo negado

Crédito e empréstimo

Análise de crédito: cinco passos para não ter o empréstimo negado

Pesquisa identifica quais os perfis de clientes que conseguem mais aprovações na hora de tomar crédito. Confira dicas para obter êxito no pedido

É da Conta Delas realiza 1º debate da série “mulheres e finanças”

Finanças

É da Conta Delas realiza 1º debate da série “mulheres e finanças”

Painel contou com a jornalista Flávia Furlan, a empresária Michelle Fernandas, a Youtuber Ana Laura e Carol Sandler, do Finanças Femininas

Fintech: “movimento pode transformar a forma como a sociedade se relaciona com o mercado financeiro”

Fintech

Fintech: “movimento pode transformar a forma como a sociedade se relaciona com o mercado financeiro”

Em entrevista à Revista Digital Creditas, presidente da ABCD conta como as fintechs estão impactando o setor financeiro

Pesquisa aponta maior satisfação em clientes de Fintechs

Economia

Pesquisa aponta maior satisfação em clientes de Fintechs

Estudo realizado pelo Google mostra que clientes de fintechs são mais felizes

Veja mais
Navegue por temas