Como quitar dívidas e conquistar independência financeira

Quitar dívidas é um dos maiores desafios de muitas pessoas. Para isso, é fundamental calcular todos os débitos e se organizar. A partir disso, é possível negociar as condições de pagamento e até fazer refinanciamento. Confira dicas de como priorizar as contas e conquistar a independência financeira.

Quitar dívidas é uma das maiores preocupações dos devedores. Planos e sonhos são impedidos por esses débitos. Mas é possível sair do vermelho. Para isso é importante conhecer a própria situação financeira e criar estratégias.

A solução para quitar dívidas pode ser a renegociação do valor e das condições de pagamento. Um dos primeiros passos é calcular o tamanho da dívida. Assim, fica mais fácil se organizar e priorizar as contas.

Além de apresentar todos esses pontos, o artigo abaixo apresenta alternativas para conseguir dinheiro. Confira opções de empréstimo para ajudar a limpar seu nome.

Descubra o tamanho da sua dívida

O primeiro passo para sair do vermelho é saber a dimensão da dívida. São tantas contas para pagar que fica difícil controlar as finanças. Porém, se você calcular o quanto sua renda está comprometida, vai perceber quantos planos deixa de realizar todos os meses.

Para chegar nessa conta, é interessante fazer uma lista com todas as dívidas, escrevendo cada produto e parcela ainda não pago. Isso te ajuda a se organizar.

Para isso, uma sugestão é dividir em uma tabela o tipo de dívida, o valor por mês de cada uma, o número de parcelas e o valor total acumulado até o momento. Assim, você vai saber quais quitar primeiro.

Veja uma opção de como montar essa planilha:

Faça uma consulta ao seu CPF

Consulte o seu CPF para ver quais as dívidas mais complicadas e para garantir que não esqueceu de colocar nada em sua lista. Além de saber o valor devido, é possível ver se está com nome sujo.

Veja como consultar CPF no SCPC e Serasa

Para acessar o CPF no site do SCPC e no Serasa o procedimento é o mesmo. É preciso criar um cadastro, inserindo alguns dados básicos e criar uma senha. Depois disso, você tem acesso não só ao valor da dívida, mas ao nome do credor e algumas informações adicionais, como endereço, telefone e site. Isso permite uma negociação direta sem intermediários. Se você teve cheques perdidos ou roubados pode, ainda, fazer um registro no site. Isso evita que seu nome fique sujo por uso ilegal de terceiros.

Se quiser consultar pessoalmente, basta ir a uma agência SerasaConsumidor com RG, Carteira de Trabalho ou Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Faça um planejamento financeiro

Depois que se sabe o valor devido, é importante aprender a se planejar. Muitas pessoas não sabem a renda mensal exata e podem perder o controle das finanças. Por isso, verifique seu holerite e calcule quanto recebe fixamente todo mês. Se realizar serviços informais e sazonais não esqueça de adicionar à soma.

Faça uma lista dos gastos fixos, como conta de luz e água, de condomínio ou aluguel. A partir disso é possível saber qual parcela da renda pode estar comprometida com o pagamento de dívidas. Custos extras, como academia ou serviços de streaming, como Netflix, devem ser repensados se prejudicarem a extinção dos débitos.

Organize as despesas e, dentre as não fixas, avalie se é possível cortar alguma, pelo menos por um ou dois meses. Mas não deixe de reservar uma quantia para lazer. Principalmente se necessitar de muitos meses para quitar totalmente as dívidas.

Com a tecnologia, fica ainda mais fácil controlar os gastos. Existem aplicativos para planejamento financeiro. Alguns registram os recebimentos e pagamentos e ainda criam gráficos e planilhas para te ajudar a se organizar. Assim você sabe o que custa mais e onde dá para economizar. Ainda é possível colocar lembretes para não esquecer daquela conta importante ou de comprar um presente, por exemplo.

Escolha uma estratégia para quitar dívida

Se você já sabe como se organizar financeiramente, o próximo passo é definir por onde começar para quitar dívidas de uma vez.

Método da “bola de neve”

A ideia é que, assim como uma bola de neve, a dívida deve ser separada em várias partes para não causar um estrago. O ideal aqui é dividir os débitos do menor para o maior, sem considerar as taxas de juros. Às vezes os pequenos valores, na soma, parecem um grande problema, mas podem ser resolvidos mais facilmente.

O ideal é focar na dívida menor, por ser mais rápido de resolver. Vale a pena tentar cortar alguns gastos até extinguir esse valor. Feito isso, vá para o segundo menor. Aos poucos o acúmulo de débitos diminui consideravelmente e você fica com mais dinheiro no bolso para quitar as maiores.

Esse processo te dá mais confiança para resolver sua vida financeira e depois pagar os débitos mais altos.

Refinanciamento para quitar dívidas

O refinanciamento da dívida é uma modalidade de crédito indicada para renegociar as condições de pagamento. Você pode trocar um débito mais caro por um com juros mais baixos. Dessa forma, é possível concentrar todos os débitos em uma só parcela e quitar tudo de uma vez. Assim fica mais fácil se organizar financeiramente.

Por exemplo, em muitos casos, solicitar um empréstimo com taxas menores pode ser mais vantajoso. No entanto, é importante se assegurar de que terá como honrar o pagamento futuramente e evitar mais uma dívida acumulada.

Portabilidade de crédito 

A portabilidade de crédito é uma transferência do débito de uma instituição financeira para outra. Pesquise bastante, avalie as condições oferecidas por cada uma e escolha a que oferece as menores taxas de juros. Isso permite quitar dívidas de forma mais rápida.

Também é interessante conhecer as diferentes opções da linha de crédito de refinanciamento. É uma oportunidade de concentrar todas as dívidas em uma só instituição. Assim, evita as taxas variadas e a burocracia dos acordos com diferentes credores.

Confira os empréstimos mais utilizados para refinanciar dívidas.

Empréstimo pessoal

O empréstimo pessoal é um dos recursos mais utilizados, pois o recurso costuma ser liberado em poucos dias. Por outro lado, trabalha com taxas de juros altas, variando entre 4% e 10% ao mês. Mas tudo depende da instituição e do valor solicitado. E é bom ter em mente que quanto menor a quantia, maiores os juros.

Porém, as principais condições para contratar, que variam de um banco para outro, são: não ter sido inadimplente nos últimos meses, não estar com o nome sujo e ter no mínimo um ano de conta bancária. No entanto, algumas financeiras permitem o crédito a negativados, mas as condições de pagamento são pouco vantajosas, com juros excessivos.

Empréstimo com garantia

O empréstimo com garantia exige um veículo ou carro quitado. Justamente por isso, os juros são muito baixos. Por exemplo, na Creditas, a taxa mínima é de 1,15% ao mês.

É vantajoso se você busca pagar parcelas com menor valor e prazos mais longos. Dessa forma o devedor consegue quitar mais rapidamente e ganha confiança para limpar o nome.

Outro ponto positivo é que o valor solicitado pode ser bem alto. No caso do imóvel é permitido contratar de R$ 30 mil até 60% do valor avaliado e pagar em até 240 meses. Se for veículo, o empréstimo vai de R$ 2000 até 90% do valor avaliado e o prazo máximo é de 48 meses. Poucas instituições oferecem essas condições de pagamento. 

Faça uma simulação de empréstimo com garantia aqui

Empréstimo consignado

O empréstimo consignado é descontado diretamente do salário ou do benefício do INSS. Por isso, é próprio para funcionários públicos ou privados e aposentados. Como o pagamento é automático você não corre o risco de esquecer e acumular mais dívidas. As taxas mensais variam mais ou menos entre 2% e 3%.

É uma boa escolha para quem quer quitar dívidas todo mês de uma vez, concentrando todas em uma só. Dessa forma você paga apenas para uma instituição e se organiza melhor. Porém, o cliente fica sem uma parte da renda para usar em outras contas, o que exige planejamento.

Saiba mais sobre empréstimos para pagar dívidas

Relacionados

Como negociar dívidas e sair da inadimplência Desde janeiro de 2010, quando a Peic começou a ser realizada, mais da metade das famílias permanecem endividadas. Segundo o relatório, mais de 1,5 mil...
Saiba onde consultar CPF e como isso pode te ajuda... Saber se o nome está negativado não é uma preocupação do dia a dia, a menos que esteja em busca de crédito e não seja aprovado. Apesar disso, é import...
Aprenda a consultar online se o seu nome está sujo... Quem está com o nome sujo tem duas opções: pagar a dívida à empresa que colocou seu nome nos órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa, ou espe...
Acabe com a dívida do cartão de crédito antes que ... Hoje em dia é difícil encontrar alguém que não tenha um cartão de crédito na carteira. Mais difícil ainda é encontrar alguém que não tenha perdido, pe...

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *