Revista Creditas - Conteúdo e Informação sobre Finanças

Passo a Passo: como declarar Imposto de Renda 2018

Como declarar Imposto de Renda

Março e abril são meses para organizar e acertar as contas com o governo. Porém, muitas pessoas não sabem como declarar Imposto de Renda e nem o que exatamente precisa ser registrado.

Afinal, quem deve fazer a declaração? Quais benefícios devem ser adicionados e como fazer isso? Tire suas principais dúvidas sobre o assunto e confira o passo a passo para evitar erros.

O prazo máximo, em 2018, para resolver essa pendência é 30 de abril. O programa da Receita Federal deste ano já está disponível, é só baixar e seguir as instruções.

Por quê é importante declarar

O Imposto de Renda é um tributo obrigatório para muitos contribuintes e até agora a Receita Federal já recebeu 947,3 mi declarações. Não declarar, ou seja, sonegar o imposto não significa que você não será punido. Pode ter uma série de consequências, como cair na malha fina (declarar menos do que de fato você recebeu e pagou), pagar multas elevadas e entrar na Dívida Ativa do governo.

Além disso, hoje em dia os sistemas estão integrados, como bancos e empresas, e se você não informar transações tributáveis, alguma instituição pode informar.

Além de ser uma obrigação com o governo é uma oportunidade para rever o patrimônio e a situação financeira. Esse momento de rever os ganhos e gastos do ano anterior pode ajudar a organizar as finanças, rever hábitos e traçar novas metas.

Se ao longo de 2017, você pagou imposto a mais, tem direito a receber uma restituição do valor extra. Por exemplo, trabalhadores assalariados tem o imposto descontado em folha de pagamento. Na hora de declarar, o programa faz as contas e você vai ganhando descontos conforme as deduções, como dependentes e despesas médicas.

A Receita Federal vai ver se durante o ano você pagou mais ou menos o que devia e vai regularizar essa diferença. Pode ser que você tenha direito a receber um dinheiro de volta.

A restituição tem sete lotes, de junho a dezembro e é corrigida pela taxa Selic. Você pode acompanhar isso no site da Receita.

Mesmo depois de declarar, se observar erros ou constatar que a declaração está incompleta, pode corrigir, ou seja, fazer a retificação.

Quem deve declarar?

Renda: se sua renda foi superior a R$ 28.559,70 em 2017, precisa declarar. Para saber qual foi o valor total, você deve somar todo o seu rendimento mês a mês do ano passado, sendo assalariado ou autônomo.

Depois de juntar os salários dos 12 meses mais as férias, se der acima do mínimo estabelecido, é obrigado a fazer a declaração. As empresas e instituições financeiras têm obrigação de te entregar um informante contendo esses valores.

Atividade rural: o mesmo é válido se você obteve receita obteve receita superior a R$ 142.798,50 com relação à atividade rural.

Investimentos: se você teve aplicações em renda fixa ou participação em algum lucro, por exemplo, e a soma foi maior que R$ 40 mil, precisa registrar. Também se realizou qualquer tipo de operação na Bolsa de Valores.

Condição de residente:  passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nessa condição se encontrava em 31 de dezembro de 2017.

Bens e direitos: se vendeu algum bem, como casa ou carro, em 2017, e lucrou com isso. Ou se passou a ser ou já era dono de bens com valor total acima de R$ 300 mil.

Casamento:

  • Declarar separadamente, dividindo os dependentes entre as declarações.
  • Declarar separadamente, informando os dependentes apenas em uma das declarações
  • Declarar em conjunto: o contribuinte vai somar os rendimentos do cônjuge e dos filhos (dependentes) em uma só declaração.

Alíquota do Imposto de Renda

Trabalhadores assalariados têm parte de seu salário descontado para pagar esse imposto. Mas, a porcentagem varia de acordo com o valor da remuneração:

  • De R$ 2.141,99 até R$ 3.179,98, terão alíquota mensal de 7,5%.
  • De R$ 3.179,99 até R$ 4.219,93: alíquota de 15%.
  • De R$ 4.219,94 até R$ 5.247,77: alíquota de 22,5%.
  • Salários acima de R$ 5.247,77: alíquota de 27,5%.
  • A alíquota máxima em vigor taxa as remunerações a partir de R$ 4.664,68.

Benefícios: quais declarar?

Qualquer remuneração deve ser incluída na declaração, inclusive seguro-desemprego, auxílio-doença, auxílio-creche, indenização adicional por acidente de trabalho, salário-maternidade, entre outros. Portanto, como vale-transporte, vale-alimentação ou refeição não são considerados rendimento, não contam.

Quem pode ser dependente?

Os dependentes devem seguir algumas condições como ter CPF a partir de 8 anos e precisa estar de acordo com a idade e comprovação judicial da dependência. Filhos, companheiro (a), cônjuge, netos e até pais, avós e sogros podem ser incluídos. Isso envolve também pessoas absolutamente incapazes, da qual o contribuinte seja tutor ou curador. E não há limite para o número de dependentes.

É possível descontar até R$ 2275,08 por cada um. Mas, se quaisquer dessas pessoas receber salário ou benefício, como estágio ou pensão, é preciso registrar os valores no campo de rendimentos tributáveis recebidos por dependentes. Se a soma do valor superar R$ 28.559,70 eles devem fazer a declaração separadamente. Isso é válido inclusive para menores de idade, que, nesse caso, não são considerados dependentes.

 

Como declarar Imposto de Renda: passo a passo

Entenda como declarar Imposto de Renda, desde o recolhimento de documentos até o envio da declaração.

Declaração simplificada ou completa?

Você pode optar entre fazer a declaração simplificada ou completa e o melhor é escolher de acordo com o preenchimento do formulário. O próprio sistema vai te informando sobre as melhores opções conforme você vai atualizando as informações. Assim, você sabe qual opção vai ter maior desconto.

Documentos necessários

É importante saber quais documentos você deve ter em mãos para aprender como declarar Imposto de Renda. Fique atento para ter todos atualizados e recolher tudo com antecedência, se possível, para não se desorganizar.

Renda

  • informes de rendimentos de instituições financeiras inclusive corretora de valores;
  • informes de rendimentos de salários, pró labore, distribuição de lucros, aposentadoria, pensão etc.;
  • informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de jurídicas;
  • informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebida no ano, dentre outras;
  • resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo do carnê-leão; DARFs de carnê-leão.

Renda variável

  • controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;
  • DARFs de renda variável.

Bens e direitos

  • documentos que comprovem a compra e venda de bens e direitos;

Dívidas e ônus

  • informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período.

Informações gerais

  • dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, caso haja;
  • nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;
  • endereço atualizado;
  • cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;
  • atividade profissional exercida atualmente.

Pagamentos e doações efetuados

  • recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);
  • despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional, com indicação do paciente);
  • comprovantes de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora com a indicação do aluno);
  • comprovante de pagamento de Previdência Social e previdência privada (com CNPJ da empresa emissora);
  • recibos de doações efetuadas;
  • GPS (ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico;
  • comprovantes oficiais de pagamento a candidato político

 

Como baixar o programa

Se você já tem certificado digital, não precisa baixar o programa abaixo. Pode fazer a declaração usando a versão online. Do contrário, siga as instruções:

  1. Download: faça o download do Programa, seguindo as instruções do site da Receita Federal. Você pode fazer pelo computador e escolher entre: Windows, Multiplataforma e Outros (MAC, Linux e Solaris). É possível também pelo celular: sistemas Android e IOS.
  2. Instalação: depois de baixar o programa, clique no documento para começar a instalar. O atalho do programa será instalado na tela do seu computador.
  3. Abertura: depois de instalado, procure o ícone do programa na área de trabalho, com o nome IRPF 2018, e abra-o.
  4. Depois de abrir o documento presente no site da Receita Federal, você deverá preenchê-lo com dados sobre rendimentos tributáveis no ano de 2017. Atenção para não colocar nenhuma informação errada.
  5. Em seguida, clique em “Declaração” e depois em “Gravar Declaração para Entrega à RFB”.
  6. Selecione a declaração que deseja fazer e clique na opção OK. Em caso de problemas com o documento, o programa apontará o erro. Se estiver tudo certo o programa perguntará se você deseja enviar a sua declaração. Clique na opção “Sim” para realizar o envio do documento.
  7. Clique na declaração a ser enviada e pronto. Nesse momento pode imprimir o seu recibo para arquivar.

>> Saiba também como declarar o empréstimo no Imposto de Renda

Multas por atraso

Agora que você já sabe como declarar Imposto de Renda, evite passar do prazo máximo de 30 de abril de 2018. Se isso ocorrer, deve arcar com multa mínima de R$ 165,74. Já o valor máximo por atraso equivale a 20% do imposto devido.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de

IPVA atrasado: aprenda a regularizar e fuja das consequências

Impostos

IPVA atrasado: aprenda a regularizar e fuja das consequências

Deixar de pagar ou atrasar o IPVA pode gerar uma série de consequências, como tomar multa e não circular com o veículo. Mas com algumas dicas é possí ...

Como pagar uma Dívida Ativa de IPVA em SP

Impostos

Como pagar uma Dívida Ativa de IPVA em SP

O governo do Estado e a prefeitura de São Paulo oferecem programas de incentivo para os contribuintes pagarem débitos em atraso. Confira como aderir ...

Como funciona o processo de execução fiscal

Impostos

Como funciona o processo de execução fiscal

A execução fiscal é a medida mais extrema em um processo de Dívida Ativa. Entenda como funciona e tomada de bens pelo governo.

Dívida Ativa de IPVA: quais as consequências e como pagar

Impostos

Dívida Ativa de IPVA: quais as consequências e como pagar

Entre as contas que comprometem o orçamento do começo do ano está o IPVA. Deixar de pagá-lo não é uma boa ideia. Conheça os problemas e descubra como ...

Existem empréstimos com Juros Baixos? Onde conseguir?

Cansou de pagar juros abusivos? Conheça 3 tipos de empréstimos com juros realmente baixos

 

 

Mais vistos