Cheque devolvido: entenda, regularize e evite restrições de crédito

Existem diversos motivos que podem resultar na devolução de um cheque. Insuficiência de saldo, fraudes e até erros de preenchimento são algumas das possibilidades. Entenda como resolver os problemas causados por um cheque devolvido.

Gradualmente, o cheque vem sendo substituído pelo cartão de crédito. No entanto, ainda é muito utilizado para pagar valores altos. Por exemplo, em 2016, os talões movimentaram, em média, R$ 2.500,00 por operação. Enquanto isso, as transações com cartões ficaram na faixa de R$ 100,00. Apesar do desuso, é comum ter um cheque devolvido.

A insuficiência de fundos é o principal motivo para devoluções. Por conta disso, o índice de cheques devolvidos foi de 2,36% no último ano, um recorde histórico. Quando essa prática é feita de forma deliberada, configura crime de estelionato. Mas ainda há diversos outros motivos para que haja esse retorno do pagamento.


Motivos para devolução de cheque

O Banco Central possui uma lista com os 36 motivos de devolução de cheques. Neste documento, são listadas as possíveis ocorrências e separadas de acordo com códigos e classificações. Os casos vão desde falta de fundos até equívocos no preenchimento.

Quando um cheque é devolvido, a instituição responsável pelo recebimento deve anotar o número do motivo no verso da folha. Dessa forma, o cliente consegue acompanhar e descobrir o porquê teve esse pagamento negado.

Lista dos motivos de devolução de cheques

 

Entreguei um cheque e foi devolvido. O que pode acontecer?

Titulares de cheques devolvidos podem sofrer várias consequências. O comum é que o CPF seja cadastrado em listas de restrição de crédito. Casos mais graves chegam a ser considerados crimes de estelionato. Tudo depende do motivo da devolução e do tempo que levará até regularizar a situação.

Se a razão for falta de saldo na conta corrente, o cheque passará por uma primeira devolução. Neste momento, não haverá cobrança de multa. Porém, o titular será notificado e deverá transferir o crédito necessário para quitar a dívida.

Caso isso não ocorra no prazo estipulado pelo banco, será realizada uma segunda devolução. O titular receberá um novo limite de tempo, mas desta vez precisa recuperar o cheque devolvido e apresentar em sua agência.

Passado esse período, o cliente terá o nome inscrito automaticamente no CCF (Cadastro de Emitentes de Cheque sem Fundos) e precisa pagar a tarifa de exclusão para resolver a sua situação. O valor da taxa varia em cada instituição. Esse banco de dados é equivalente a um cadastro Serasa ou a um CADIN das instituições financeiras. A presença do nome na lista gera restrições de crédito.

Outros motivos para ter o nome incluído no CCF são: conta encerrada e prática espúria (quando o cliente emite mais de três cheques sem fundo, mas a instituição assume um Compromisso de Pronto Acolhimento junto ao BC e garante não devolver os cheques pelos motivos 11 e 12). Em casos de conta conjunta, apenas o CPF do titular emissor é incluído no cadastro.

Para saber se possui o nome inscrito no CCF, o interessado deve comparecer a um endereço do Banco Central do Brasil. Na visita, precisa levar um documento de identificação que possua o número do CPF. As instituições financeiras também podem prestar essa informação, sem qualquer tipo de cobrança pela pesquisa.

 

Como encontrar um cheque devolvido?

Um cheque é uma forma de pagamento que pode ser repassada de mão em mão, até que seja depositado no banco. Portanto, caso ele seja recusado, pode ser difícil de encontrar o portador. Uma solução é pedir ao banco a microfilmagem do cheque devolvido e descobrir o histórico de movimentação.

Ao localizar, o responsável deve ir até o lugar para resgatá-lo. Então, deve pagar o valor em dinheiro para o portador para conseguir retomar a folha. Após isso, deve apresentar no banco junto a uma declaração de quitação do cheque devolvido para comprovar que a dívida foi paga.

Caso não consiga encontrar o portador, um advogado pode entrar com uma ação, pedindo a baixa da restrição nos órgãos de crédito. O juiz publicará o nome do portador em um edital e, caso este não se manifeste em até 30 dias, o débito passa a ser considerado quitado.

 

Como limpar meu nome

Primeiramente, é interessante realizar uma consulta do CPF e descobrir se existem outras pendências que podem ser resolvidas. Algumas empresas de proteção ao crédito, como Serasa e Boa Vista, fazem essa análise de forma gratuita.

Para regularizar a situação do nome, será necessário quitar os débitos que resultaram em tais problemas. Depois de fazer o pagamento ao credor, apresente ao banco o cheque e um recibo de pagamento com as seguintes informações: data e valor do pagamento; número do cheque; nome, RG, CPF e assinatura do credor. Mas confira se a cobrança foi feita de forma correta. Se o cheque foi debitado, apresente o extrato bancário na instituição para comprovar o erro.

Para finalizar, será necessário pagar as taxas bancárias referentes às devoluções dos cheques e à exclusão do nome no CCF. Com a regularização, a instituição tem um prazo de até cinco dias para solicitar a retirada do CPF do cadastro de inadimplência.

Se o devedor não possuir recursos para saldar a dívida, uma solução é buscar um empréstimo. Clique no botão abaixo para conhecer as principais opções de empréstimo disponíveis e saiba como escolher a melhor linha de crédito.

DESCUBRA COMO ESCOLHER A MELHOR OPÇÃO DE EMPRÉSTIMO

Relacionados

Empréstimo para pagar dívidas Estar endividado tira o sono de qualquer pessoa e a primeira coisa que nos vem à mente é: preciso de dinheiro! É importante ter uma boa estratégia nes...
Como limpar nome sujo Embora a inadimplência seja um problema bastante comum, nem sempre sabemos resolver a situação da melhor maneira e acabamos perdendo o sono por causa ...
Entenda o que é Dívida Ativa, consulte e veja como... Os brasileiros estão cada vez mais endividados e não é só com o cartão de crédito. Um levantamento feito pelo time da Revista Creditas com dados do Mi...
Como pagar uma Dívida Ativa em SP Deixar de pagar uma dívida ativa em SP pode ocasionar diversas consequências ao contribuinte. Essas implicações podem variar desde restrições de crédi...

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *