Cartão de crédito x débito: descubra como e quando usar

Publicado em Atualizado em: 12/04/2019

Quando usado da maneira correta, o cartão pode trazer vantagens e te ajudar a economizar mais dinheiro. Entenda como:

Se para o compositor Paulinho da Viola “dinheiro na mão é vendaval”, para grande parte da população brasileira, o dinheiro “vivo” – em espécie, mesmo – ainda é um dos principais meios de pagamento e consumo. É o que comprova a pesquisa “O brasileiro e sua relação com o dinheiro”, realizada pelo Banco Central em 2018. Por meio de um levantamento de amostragem feito com 1 000 pessoas em cidades maiores de 100 000 habitantes, o órgão indagou os métodos para pagar contas e/ou fazer compras. A resposta para 96% dos participantes foi: dinheiro. A questão, que contemplou múltiplas respostas para cada pessoa, trouxe o cartão de débito em segundo lugar, com 52% de uso entre as pessoas, seguido do cartão de crédito, que é a escolha de menos da metade da população – 46%.

Mesmo com os avanços tecnológicos e das facilidades que os cartões disponibilizam, o dinheiro também aparece disparado como primeira opção nas formas de pagamento usadas com mais frequência. Ele é a opção de 60% dos participantes da pesquisa, enquanto o cartão de débito e o de crédito aparecem com 22% e 15%, respectivamente.

Mais que renda, o alto uso das cédulas está relacionada a questões culturais, principalmente como as pessoas lidam e se relacionam com o dinheiro. Em países como a Suécia, quase 100% dos meios de pagamento são feitos por meio de cartão. Já na Alemanha, o manuseio das cédulas ainda é alto.

No caso do Brasil, ficou constatado que a população ainda tem muito apego ao dinheiro impresso, seja pelo fato de que ele proporciona a sensação de ter o valor concreto e em mãos, ou pela possibilidade de organizar e contar o dinheiro vivo. A cultura nacional faz com que, em  média, o Banco Central gaste cerca de 500 milhões de reais por ano para produzir e emitir moedas e cédulas.

Receba nossos conteúdos exclusivos

Cartão: crédito ou débito?

Não é que seja errado ou ruim usar o dinheiro como meio de pagamento, mas, dependendo dos casos, pode ser mais vantajoso e seguro ter o cartão – de crédito ou o de débito – como meio de pagamento. “Uma das principais vantagens do cartão em relação ao dinheiro é a segurança. Além disso, fica mais fácil de organizar e consultar as finanças, porque está tudo arquivado na fatura ou extrato”, diz Otávio Machado, bacharel em economia e team leader da equipe de crédito da fintech Creditas.

Mas, antes de começar a usar com mais frequência os cartões, é importante saber as diferenças entre eles.

O cartão de débito nada mais é que o dinheiro vivo em um cartão. Isso porque os pagamentos feitos por essa modalidade são à vista e saem direto da conta corrente através do cartão. Essa facilidade faz com que quase todos os estabelecimentos aceitem a opção “débito”.

Outro ponto do débito é que em grande parte dos casos, as empresas bancárias não cobram tarifas pelo cartão – apenas se houver saque da conta corrente.

Já o cartão de crédito engloba uma série de especificações que é importante ficar atento – e colocar na ponta do lápis – para valer a pena.

Primeiro, é importante entender que o cartão de crédito funciona como uma espécie de empréstimo: você compra com o crédito fornecido pelo banco e só pagará no fechamento da fatura – que pode vir de 30 a 40 dias depois. Além disso, é possível escolher entre pagar “à vista”, ou seja, em uma única vez, ou parcelar as compras. Em caso de parcelamento, é possível ter juros adicionais no valor da compra.

Diferente do débito, o cartão de crédito possui bandeiras – como Mastercard, Visa, American Express, Elo, e etc. Dependendo do estabelecimento, algumas dessas bandeiras podem ser aceitas, ou não. Outro ponto é que o crédito estabelece um limite referente ao perfil de gasto/pagamento de cada usuário. Esse limite é um crédito pré-aprovado pela instituição que fornece o cartão.

Por fim, o crédito pode oferecer clubes de vantagens e esquemas de pontos que são adquiridos conforme o uso do cartão. A ideia é que a frequência do uso do crédito seja revertido em outros benefícios, como hospedagens, passagens aéreas e, até mesmo, eletrodomésticos.

Vantagens x desvantagens

Para identificar qual a melhor opção para o seu perfil e bolso – débito ou débito – o team leader de crédito da Creditas, Otávio Machado, listou as vantagens e desvantagens de cada modalidade. Confira, a seguir, e entenda qual é a opção mais adequada para o seu momento:

Cartão de crédito  

Usado da maneira correta, o cartão de crédito pode ser muito vantajoso. Como você paga o montante consumido de 30 a 40 dias após a compra, você pode deixar o dinheiro investido até o vencimento da fatura – e ganhar uma renda extra por isso.

Outro ponto interessante é que o pagamento da fatura está concentrado em um dia só. Isso facilita a organização das finanças e do mapeamento dos gastos – principalmente se você faz um planejamento financeiro detalhado com planilhas. Basta checar tudo o que estiver na fatura e lançar na planilha. 

Em casos de compras de alto valor, o cartão de crédito pode te ajudar a não estourar o orçamento por meio do parcelamento do valor. Mas, lembre-se: tente não parcelar a compra por um tempo maior que o uso. “Por exemplo, se você vai fazer um curso de seis meses, tente pagar ao longo desses seis meses. Isso evita a sensação de pagar por algo que você não está mais usufruindo”, explica Machado. 

O cartão de crédito também pode ser muito vantajoso em termos de programas de fidelidade e benefício. Mesmo com as taxas de anuidade, os programas oferecidos pelos cartões são boas opções de ganhar com o que você já gastou. Eles podem dar acesso a salas vip de aeroportos, passagens aéreas, seguro viagem, desconto em alugueis de carro, e etc.

“Programas de fidelização são bons, principalmente quando os gastos estão todos concentrados no cartão de crédito”, indica o especialista. “A lógica é simples: quanto maior o gasto, maior o benefício. É possível conseguir bons descontos e agregar serviços que antes você teria que pagar.”

Já em relação às desvantagens, Machado alerta: por ser um dos créditos mais fáceis de se conseguir no mercado, é preciso ficar atento e pagar as faturas no prazo determinado com a instituição. Principalmente porque as taxas de juros em caso de atraso são altíssimas – algo como 253,2% ao ano, segundo o Banco Central.

Além disso, atente-se ao seu limite. Ultrapassá-lo pode gerar uma dor de cabeça – e bola de neve em dívidas. 

Outro ponto problemático do cartão de crédito é que, por não debitar da conta no momento da compra, muitas pessoas acreditam que ainda têm o dinheiro que já foi comprometido. Dessa maneira, contraem dívidas por falta de organização. Use o pagamento no futuro a seu favor, e não contra você.

“A dica para não se enrolar com as compras do cartão é sempre fazer a comparação da fatura com a conta-corrente. Isso ajuda a avaliar se está comprometendo um montante que ultrapassa sua renda”, explica.

Cartão de débito

Embora o débito funcione como um dinheiro “digital”, ele pode ser vantajoso em algumas situações. A primeira delas é em termos de segurança. O dinheiro está na conta-corrente e não na sua carteira. Se sua carteira for roubada, é possível bloquear o cartão antes dele ser usado de forma fraudulenta.  

Há, também, a possibilidade de acompanhar os gastos pelo extrato e aplicativos dos bancos. Isso ajuda a organizar os gastos e a ter um panorama geral de como está usando seu dinheiro.

“O débito substitui o dinheiro, então você tem mais facilidade ao fazer compras com valores quebrados [sem precisar contar moedas], ele facilita o troco e é mais seguros, em casos de roubo de carteira, por exemplo”, afirma Machado.

Já em relação às desvantagens, o especialista indicou a falta de opção de pagamento parcelado e a baixa opção de programas de fidelização/benefícios. Nesses casos, ele é mais recomendado para pagar contas de valores mais baixos – e que não vão comprometer a renda como um todo. 

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Paula Bezerra

Editora da Revista Digital Creditas, jornalista de coração e alma. Escreve sobre finanças, inovação, economia, cultura e o que mais der na telha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de
Evento de educação financeira ensina – de graça – brasileiro a poupar

Finanças

Evento de educação financeira ensina – de graça – brasileiro a poupar

Entre os dias 20 e 26 de maio, 6ª Semana de Educação Financeira oferecerá palestras e cursos de finanças pessoais e investimento em todo país

5 dicas para comprar passagens e economizar dinheiro para viajar

Finanças

5 dicas para comprar passagens e economizar dinheiro para viajar

Ser flexível com dias, horários, destinos e usar programas de milhagens são algumas das boas práticas para fugir da alta nos preços das passagens ...

Bike, carona? Como economizar dinheiro com transporte alternativo

Finanças

Bike, carona? Como economizar dinheiro com transporte alternativo

Deixar o carro e escolher outros meios, como bicicletas e patinetes elétricos, pode desafogar o orçamento e te ajudar a poupar

Fraudes na internet atingem 9 milhões de pessoas. Saiba como evitar

Finanças

Fraudes na internet atingem 9 milhões de pessoas. Saiba como evitar

Ações como monitorar informações pessoais e verificar a reputação de um site ajudam a proteger seus dados e prevenir golpes online

Veja mais
Navegue por temas