Análise de crédito: cinco passos para não ter o empréstimo negado

Publicado em Atualizado em: 05/07/2019

Pesquisa da fintech FinanZero identificou quais os perfis de consumidores e motivações mais bem aceitas por bancos e financeiras na hora de tomar crédito. Descubra quais são

Analise de Crédito

Tomar um empréstimo é uma alternativa para muitos brasileiros que precisam colocar as contas em dia, planejar uma viagem, resolver uma situação emergencial e/ou investir em um negócio. Mas para chegar lá, todo cliente deve passar por uma análise de crédito – processo de avaliação da capacidade de pagamento da dívida, pendências jurídicas entre outros quesitos – que muitas vezes o impede de conseguir o dinheiro.

Para entender qual é o perfil com mais chances de aprovação, a FinanZero, fintech que auxilia o consumidor na busca pela melhor modalidade de crédito, fez um estudo com o cruzamento dos dados de 80 000 clientes que receberam o crédito das instituições parceiras. A pesquisa identificou quais as categorias de profissões cujas porcentagens de aprovação na análise de crédito são maiores, assim como os estados civis, graus de instrução, tipos de conta bancária e residência e os motivos do pedido que eram mais bem aceitos por bancos e financeiras.

Receba nossos conteúdos exclusivos

Afinal, o que é análise de crédito?

A análise de crédito avalia principalmente o histórico de bom pagador do consumidor. Tais informações são obtidas por meio do CPF do cidadão e os dados ficam dentro das plataformas de birôs de crédito, como Serasa, SPC Brasil e Boa Vista SCPC. Esse histórico, chamado pelos birôs como score, é uma pontuação que pode ir de 0 a 1 000 pontos, cujo cálculo considera o comportamento de consumo e pagamento dos últimos 12 meses de cada pessoa. Caso a pontuação no score esteja muito baixa – principalmente em caso de inadimplência/nome negativado -, o pedido de crédito é negado automaticamente.

“Isso (score) é vital na análise de crédito. Elas (instituições) têm que ver se a pessoa tem características mínimas que permitam confiar nela. E aí você leva em consideração vários fatores, como caráter financeiro, problemas com nome sujo e etc”, explica Nicola Tingas, economista da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi).

Além de ser uma referência para se realizar a análise de crédito com maior confiabilidade e dar segurança às instituições financeiras, o score de crédito estimula o consumo consciente, uma vez que o cidadão tendo ciência de que é considerado um bom ou mal pagador pode aprender a controlar melhor as próprias finanças, evitando ou revertendo a situação de inadimplência e nome negativado.

Mas, afinal, quais fatores tornam um perfil de cliente ideal e bem aceito para se tomar um empréstimo? Por meio da pesquisa da FinanZero, a Revista Digital Creditas conversou com especialistas e traçou dicas para te ajudar na análise de crédito. Confira, a seguir:

1- Motivações do crédito

Todo empréstimo é motivado por algum gatilho e/ou necessidade do consumidor. Para ter mais chances na hora da aprovação do pedido, recomenda-se que a pessoa deve ter certeza, clareza e segurança sobre o porquê de estar se engajando na operação. Essa é a primeira etapa do processo e o que vai definir o encaminhamento para a análise de crédito.

“Nesse momento, é importante avaliar o planejamento versus necessidade, urgência versus supérfluo”, orienta Mauricio Godoi.

A pesquisa da FinanZero listou alguns dos motivos mais comuns – e bem aceitos pelas instituições financeiras. Os mais de 80 000 pedidos analisados foram motivados, na maioria, para o pagamento de viagens, cirurgias, compra de ativos, reforma da casa e pagamento de dívidas.

É importante ressaltar, porém, que cada instituição financeira tem o seu método de análise de crédito. Ou seja: as motivações podem variar. Em caso de dúvidas, pergunte à empresa que pretende tomar o empréstimo.

2- Vínculo empregatício/comprovação de trabalho

A análise da FinanZero demonstrou que a ocupação do tomador de crédito é um fator importante na hora de comprovar uma renda mensal consolidada e constante. Esse é um dos itens essenciais para que a instituição possa liberar o dinheiro – norteando-se pela capacidade de pagamento do consumidor.

De acordo com o estudo, os funcionários dos setores privado e público têm mais facilidade em passar pela fase de análise de crédito do que as demais categorias. A taxa de aprovação dos trabalhadores de empresas privadas é de 30%, seguida pela dos servidores públicos, de 27%. Os profissionais liberais vêm logo atrás, com 22%. Os últimos da lista são os aposentados, aprovados em 20% dos casos, e os autônomos com 19% de aprovação nas análises.

“Notamos na pesquisa que, quanto maior o grau de instrução, maior a chance do cliente ter uma profissão bem estabelecida, logo, tende a possuir mais documentos que comprovem a renda”, pontua José Daniel Junior, analista de marketing da FinanZero.

A sazonalidade do serviço e a falta de organização com as finanças pessoais e profissionais também podem ser empecilhos na vida dos trabalhadores autônomos. Isso porque, muitos dos autônomos acabam confundindo o fluxo de caixa pessoal, com o profissional.

O economista e professor da Saint Paul Escola de Negócios, Mauricio Godoi, destaca que a categoria “depende muito da sensibilidade da própria economia e que por isso podem acabar não se planejando tão bem” quanto deveriam para pleitear o empréstimo.

Nesse caso, fique atento com as suas finanças e cuide sempre do seu planejamento financeiro, para não se prejudicar caso precise tomar crédito.

3- Residência

Muitas vezes usado como garantia, como no empréstimo com garantia, ou referência em uma operação de empréstimo, o tipo de residência também pode ser um facilitador no momento em que o banco, a financeira e/ou a fintech de empréstimo analisam o perfil de crédito do consumidor.

O estudo mostra que as pessoas que têm as melhores taxas de aprovação têm casa financiada (35%). Na sequência, aparecem os que têm casa própria (26%), casa de familiar (24%) e imóvel alugado (24%).

A facilidade maior dos que possuem casa financiada ocorre pelo fato da pessoa que financiou um imóvel já ter passado por uma outra análise de crédito. Nesse caso, por exemplo, a pessoa tem mais chances de demonstrar que tem renda fixa e capacidade de honrar as dívidas maiores.

“Isso quer dizer que ele (cliente) já tem um número de dados que permitem um credit score melhor. Ele conseguiu a aprovação num crédito imobiliário mais longo por meio de um banco comercial, que conhece mais sobre ele e há mais tempo, provavelmente”, justifica Nicola Tingas.

No entanto, é importante lembrar que ser aprovado num financiamento imobiliário não é garantia de uma nova aprovação em outra tomada de crédito.

4- Conta bancária

Outro ponto de análise na pesquisa da FinanZero é sobre o perfil bancário dos clientes que pedem empréstimo. Com 42% de aprovação, pessoas que contam com conta corrente, com ou sem cheque especial, têm boas chances de conseguir crédito. Em segundo lugar, aparecem os que têm apenas conta salário (19%) – a qual não aceita o depósito do empréstimo – e poupança (16%).

Para os especialistas, a movimentação bancária se coloca como um vitrine dos gastos e da vitalidade financeira do futuro tomador de empréstimo. “Para um cliente ter uma conta corrente com cheque especial, a instituição financeira realiza uma análise de crédito antes de aprová-lo. Logo, esse público costuma ter um histórico de bom pagador”, explica José Daniel Junior, analista de marketing da fintech.

5- Estado civil

Outro item que a fintech demonstrou que é avaliado no momento da análise de crédito foi estado civil dos clientes. Pessoas casadas (28%), divorciadas (27%) e solteiras (23%), porém, têm grau de aceitação de perfil próximos.

Uma vantagem que pessoas casadas podem ter em relação às que se encontram em outros estados civis, é de ter, facilmente, um avalista para somar/complementar a renda. Mas casado, divorciado ou solteiro, o consumidor deve ter antes de qualquer coisa capacidade de honrar as dívidas.

É importante lembrar, no entanto, que esse tipo de movimento também é possível em relação de 1º grau, como pais para filhos e irmãos.

Tive o pedido de crédito negado, e agora?

O primeiro passo ao ser barrado na análise de crédito para pegar um empréstimo é ter tranquilidade para se organizar. Se o motivo da negativa for pelo score baixo, inadimplência e/ou nome sujo, o consumidor precisa investigar quais os débitos que o levaram a essa situação e tentar solucionar a pendência financeira.

Uma dica dada por especialistas é tentar não se perder entre as despesas/contas diárias. Para isso, manter uma boa estrutura e organização financeira é fundamental. ‘Arrumando a casa’, as chances de adequar o pedido de empréstimo e obter êxito serão maiores.

“Você tem que conhecer as suas contas, o seu fluxo de caixa. Tudo o que é receita, despesa, o quanto sobra. Aí sim você vai conseguir ver a sua necessidade de crédito e o quanto você pode comprovar”, aponta Nicola Tingas.

Além disso, colocar os gastos essenciais e fixos como contas de luz, água e aluguel, na função de débito automático também ajuda os mais esquecidos e evita a inadimplência desnecessária.

Outro ponto que também ajudará os inadimplentes está na mudança de lei do Cadastro Positivo, que está no aguardo de sanção presidencial. Isso porque o Projeto de Lei Complementar (PLP) 441/2017 tornará automática a inclusão de pessoas físicas e jurídicas no banco de dados dos birôs de crédito. A medida vai facilitar e aumentar o acesso dos bancos e financeiras à informações sobre o comportamento financeiro de cada pessoa e a identificar pendências financeiras pequenas que atrapalham a tomada de crédito, como contas de água e luz atrasadas por esquecimento.

A entrada para o Cadastro, aliás, é um das recomendações dada pelo especialista da FinanZero principalmente aos autônomos, que estão mais propensos a não serem aceitos na análise de crédito. A inclusão o sistema pode ser solicitada junto aos birôs de crédito, que ofertam o serviço de forma gratuita e online. “Fazer um cadastro é interessante, porque caso não tenha como comprovar renda você conseguirá provar para as instituições financeiras que paga suas contas em dia e que tem uma determinada renda”, explica José Daniel.

SOLICITAR MEU EMPRÉSTIMO

Postado por Thiago Fadini

Repórter da Revista Digital Creditas. Conectado à economia, política, novos negócios e, nas horas vagas, metido a comentarista esportivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de
Como – e por que – as fintechs estão mudando o mercado de crédito

Fintech

Como – e por que – as fintechs estão mudando o mercado de crédito

Com mercado em expansão, entenda como empresas como Nubank e Creditas estão transformando a relação do brasileiro com o empréstimo

“O brasileiro é rico, mas ele não vê esse dinheiro na conta corrente”, diz Furio

Fintech

“O brasileiro é rico, mas ele não vê esse dinheiro na conta corrente”, diz Furio

CEO e fundador da Creditas conta como as fintechs estão ajudando a mudar o mercado de crédito e a importância de oferecer soluções aos clientes

Com novo aporte, Creditas expandirá estratégia de reduzir juros do empréstimo no Brasil

Fintech

Com novo aporte, Creditas expandirá estratégia de reduzir juros do empréstimo no Brasil

Investimento liderado por Softbank ajudará fintech a alçar voos maiores na missão de espalhar crédito de qualidade no país

É da Conta Delas realiza 1º debate da série “mulheres e finanças”

Fintech

É da Conta Delas realiza 1º debate da série “mulheres e finanças”

Painel contou com a jornalista Flávia Furlan, a empresária Michelle Fernandas, a Youtuber Ana Laura e Carol Sandler, do Finanças Femininas

Veja mais
Navegue por temas