Alienação fiduciária garante empréstimo com juros baixos

Colocar um imóvel como garantia de um empréstimo pode parecer um pouco arriscado, mas, na verdade, a alienação fiduciária é a forma mais segura e vantajosa. Tire as suas dúvidas e veja como funciona.

A grande oportunidade de negócio na sua vida, uma viagem pelo mundo, reformar a casa ou alguma outra grande necessidade pode surgir a qualquer momento. Você não tem o dinheiro em mãos e descobriu que oferecer uma garantia te dá melhores condições em um empréstimo. Depois de pesquisar mais sobre essa modalidade de crédito, descobriu que para colocar um imóvel em garantia é necessário fazer uma alienação fiduciária.

Agora você pode estar se perguntando quais são as vantagens, os riscos e especialmente se pode perder o seu imóvel. É disso que vamos tratar neste texto.

 

Mas afinal, o que é alienação fiduciária?

Alienação fiduciária é um recurso legal utilizado para transferir a propriedade do imóvel a uma instituição financeira em uma operação de crédito com garantia. Ou seja, para conseguir um empréstimo com juros muito baixos, o cliente concede o bem como uma garantia de pagamento.

No fim do contrato, quando todas as parcelas estiverem quitadas, a matrícula do imóvel retorna ao proprietário original. Enquanto isso, a instituição tem a posse indireta do bem. O cliente continua com a posse direta e usufruindo do imóvel. Pode morar ou alugar. Também pode vender, desde que a dívida do empréstimo seja quitada.

A alienação fiduciária foi instituída em 1997, por meio da Lei nº 9.514. Até então, a forma utilizada nas operações em que se colocava um imóvel como garantia era a hipoteca. No entanto, esse modelo se tornou obsoleto porque envolve muita burocracia. Na hipoteca, o bem continua no nome do proprietário, dificultando a retomada do bem quando acontece a inadimplência.

Essa dificuldade gerou desinteresse dos bancos em prosseguir com a operação, pois demandava ações judiciais para tomar o imóvel. As instituições financeiras tinham muito gastos e perdas financeiras. Com a alienação fiduciária ficou mais fácil, pois todo o processo de retomada é realizado por meio de ação extrajudicial.

>> LEIA MAIS: ENTENDA O QUE É HIPOTECA E COMO FUNCIONA NO BRASIL  

 

Vantagens da alienação fiduciária

Pode parecer que esse tipo de operação traz vantagens para os bancos já que a alienação fiduciária facilita a retomada da garantia. Diferentemente da hipoteca, o processo é mais rápido porque o banco não precisa entrar com uma ação judicial.

Contudo, as instituições também repassam a segurança da garantia para a operação, beneficiando o cliente que é o maior interessado. Traduzindo, você paga menos juros no seu empréstimo. Essa transação é vantajosa, tanto para o credor, que tem menos chances de sofrer um calote, quanto para o cliente que vai receber condições melhores de pagamento.

Saiba que se você possui um imóvel e precisa de dinheiro, você tem acesso a melhor oportunidade de crédito do país. O empréstimo com garantia de imóvel oferece as menores taxas de juros e prazos maiores de parcelamento.

 

Riscos da alienação fiduciária

Você pode achar que, por já estar oferecendo um bem em garantia, não precisará comprovar sua renda ao tomar o empréstimo. Isso não acontece, pois o credor precisa se certificar de que você será capaz de honrar os seus pagamentos.

A parcela do empréstimo também não poderá comprometer mais do que 30% da sua renda mensal. A análise de renda deve ser bem criteriosa para diminuir ao mínimo os possíveis riscos para ambas as partes.

Geralmente, as instituições vão permitir que você pegue até 60% do valor do imóvel emprestado. Esse valor é fruto de uma avaliação de alguma empresa especializada que pode gerar custos. Descubra se a empresa arca com esses extras ou se irão sair do seu bolso.

Esse processo é bem detalhado e cauteloso. Serve para proteger a financeira de possíveis irregularidades e para blindar o cliente de quaisquer danos. No entanto, se mesmo assim, você não puder honrar o pagamento e não entrar em um acordo de negociação, o banco tomará o seu imóvel.

Então avalie se a parcela cabe no seu bolso e se não vai comprometer o orçamento no longo prazo. Se concluir que a operação se enquadra no seu orçamento, não tenha dúvida de que essa é a melhor alternativa para tomar o crédito.

 

Instituições têm interesse em tomar o imóvel?

Isso é um mito. As instituições financeiras não tem nenhum interesse em confiscar o bem. Essa é a última opção que as instituições buscam para resolver o problema com clientes inadimplentes. A dificuldade e os custos para vender o bem, na maioria das vezes, não é rentável.

Tomar o imóvel do cliente representa um prejuízo financeiro ao banco. Além de correr o risco de não recuperar todo o valor emprestado ao cliente, a instituição terá despesas com o processo de retomada.

Se o credor tiver que tomar o imóvel, o que será o último recurso a ser utilizado, ele vai levá-lo a leilão. O valor da venda será utilizado para amortizar a dívida, e o restante é devolvido ao proprietário. O banco não tem lucro nessa operação.

Exemplificando: uma pessoa deve R$ 150 mil e não paga. O seu imóvel retomado vai a leilão, fruto da inadimplência, e é vendido por R$ 250 mil. O banco vai recuperar o valor que teria para receber e devolver R$ 100 mil para o proprietário.

Além disso, o imóvel parado não rende juros. Isto é, não é rentável para o banco. Manter um imóvel na carteira acumula custos para a instituição financeira. Pode levar cerca de um ano até conseguirem se desfazer do bem e ainda existe o risco de não chegarem a vender.

Isso não significa que o cliente pode relaxar e não arcar com os seus compromissos. Perder o imóvel continua sendo um risco.

Para evitar essas situações as instituições fazem uma análise de crédito criteriosa. Por isso, no empréstimo com garantia é muito raro encontrar casos em que o cliente teve o bem executado. Aqui na Creditas, por exemplo, nunca precisamos realizar um processo para retomar uma propriedade.

Resumindo. Tomar do imóvel é ruim para o cliente porque fica sem a propriedade. Mas também é ruim para a instituição que tem a possibilidade de ficar com o imóvel parado, gerando custos e prejuízos.

 

Como fazer um empréstimo com garantia de imóvel

No site da Creditas, você pode fazer uma simulação e, se estiver qualificado, os consultores entrarão em contato para entender a sua situação e explicar como funciona o processo, os documentos necessários e tudo o que é importante saber.

Por envolver uma quantidade alta de dinheiro, é bom ficar ciente que essa operação demora um pouco mais de tempo para ser concretizada. O valor mínimo para solicitação na Creditas é de R$ 30 mil. Normalmente, o procedimento leva em torno de 30 a 60 dias até o cliente ter o dinheiro na conta.

O imóvel oferecido em garantia deve ter um valor mínimo de R$ 150 mil. É possível solicitar até 50% do valor da propriedade, que será avaliada por um engenheiro de uma empresa especializada. Os custos são incluídos no valor final do empréstimo a ser pago e o cliente não precisa arcar com isso antes de ter o dinheiro em mãos.

Para fazer um empréstimo com garantia, você precisa passar por uma análise rigorosa de crédito, provando que você é capaz de assumir essa dívida. Os documentos que serão solicitados podem variar dependendo da fonte de renda do cliente.

Se tratando de um processo longo, com muitas especificações, mas com bastante segurança para a instituição de crédito, o cliente também se beneficia com a operação. Na Creditas, o prazo para o pagamento da operação vai de 5 a 20 anos e, caso o cliente tenha condições, poderá antecipar alguma parcela ou mesmo quitar o empréstimo quando quiser. Também trabalhamos com taxas a partir de 1,15% ao mês dependendo do perfil do cliente.

Por fim, se aprovado em todas as etapas, o imóvel é transferido para o nome da instituição financeira por meio da alienação fiduciária, que passa a ter a posse indireta do bem. Você recebe o dinheiro solicitado na sua conta e permanece com a posse direta, continuando a usufruir do imóvel.

 

Veja aqui um passo a passo para solicitar um empréstimo com garantia de imóvel na Creditas

1. Entre no site da Creditas e clique na opção Imóvel em garantia

homerefin-passoapasso-home-page

2. Coloque o valor que você precisa e depois clique em Simular Empréstimo

homerefin-passoapasso-simular-emprestimo

3. Selecione o prazo que você desejar pagar; avalie as condições de pagamento da parcelas; verifique os requisitos mínimos para prosseguir e clique em Continuar

homerefin-passoapasso-verifique-simulacao

4. Preencha uma ficha com os seus dados pessoais

homerefin-passoapasso-ficha-cadastral

5. Crie sua conta e clique em Continuar

6. Dependendo dos seus dados você pode ou não ser aprovado. Em caso de aprovação, nossos consultores entrarão em contato com você para atender a sua solicitação!

 

 

Postado por Revista Creditas

Portal de conteúdo especializado em educação financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *