Revolucionando o empréstimo no Brasil
Crédito e empréstimo

Restituição do Imposto de Renda: vale a pena antecipar?

O serviço, que é um tipo de empréstimo, pode ser uma boa opção em situações emergenciais ou de investimento no próprio negócio. No entanto, os bancos cobram juros e tributos

Escrito por Thiago Fadini em 29.04.2019 | Atualizado em 04.11.2019

  • 0 Likes

Após 55 dias, o prazo para a declaração do Imposto de Renda finalmente chegará ao fim em 30 de abril. Até o momento foram entregues mais de 24 milhões de informes. E, aos que estão com todos os dados e documentos em dia com a Receita Federal, a boa notícia é a restituição do Imposto de Renda 2019. Neste ano, os lotes de entrega da restituição serão liberados a partir de junho. Mas, o que muitos não sabem, é que é possível pedir antecipação do pagamento - e que a medida funciona como uma modalidade de empréstimo.

Os “apressadinhos” que desejam antecipar o IR, porém, devem se atentar, primeiro, se a declaração é passível à restituição. Ou seja: se ao longo do ano anterior, ele pagou mais impostos que deveria e que, por isso, poderá reaver parcela desse valor.

Isso porque, a restituição do Imposto de Renda é um ajuste realizado pela Receita com os declarantes por eles terem pago impostos a mais do que o devido no ano anterior. O cálculo leva em conta os ganhos salariais, com aplicações financeiras, vendas de bens, entre outras movimentações.

A informação sobre a restituição vai aparecendo ao longo da própria declaração. Ganha o direito de resgatar parte do imposto pago quem teve custo com pensão alimentícia, despesas médicas e/ou com educação, quem incluiu dependentes na declaração ou em caso de parente falecido com valor a receber.

A quantia que será restituída pode ser consultada por meio do programa do IR para computador e pelo aplicativo ‘Meu Imposto de Renda’, para dispositivos móveis. Basta que o contribuinte busque pelo quadro no canto esquerdo da tela e verifique qual foi a opção escolhida para a tributação. No aplicativo, os valores podem ser acompanhados da mesma forma através da aba “Tributação”, na linha azul inferior.

Antecipação do IR: como funciona?

Antes de solicitar formalmente a antecipação da restituição do Imposto de Renda 2019, o contribuinte deve se atentar a alguns pontos como a taxa de juros sobre o empréstimo, tributos e tarifas bancárias que serão cobradas durante a operação.

Cada instituição aplica uma taxa de juros sobre a antecipação do Imposto de Renda, que pode variar de 1,79% (Banco do Brasil e Bradesco) até 5,99% (Santander). Além disso, cada banco estabelece seu próprio prazo para quitação das parcelas e limite de tomada de crédito. O BB, por exemplo, é a instituição com tempo mais longo para o pagamento - até 15 de janeiro de 2020.

Como a quitação pelo serviço é debitado em parcela única - direto da conta do cliente - é importante que ele tenha a certeza de que terá o valor para honrar o empréstimo.

Se cair na malha fina e tiver que retificar o informe, o contribuinte só receberá o dinheiro assim que a situação for regularizada com o Leão. Enquanto isso, terá que pagar os juros determinados pelo banco.

Por isso, órgãos de defesa do consumidor recomendam que o cliente leia atentamente todos os termos do contrato de antecipação da restituição do IR para estar ciente de todos os custos adicionais que podem ser embutidos na operação.

Vale a pena antecipar a restituição do Imposto de Renda?

Levando em consideração o valor a ser recebido pela restituição e das condições oferecidas ao pedir sua antecipação no banco, o próximo passo é analisar se vale a pena se engajar nessa linha de empréstimo.

Para Murilo Torelli, professor de contabilidade da Universidade Presbiteriana Mackenzie, a antecipação pode ser vantajosa em duas situações: emergenciais e de investimento no próprio negócio.

O montante pode se tornar um grande aliado para a quitação de dívidas caras, como cheque especial, rotativo do cartão de crédito ou de um empréstimo pessoal, por exemplo. Já o crédito para investir deve ser tomado após uma análise minuciosa sobre o custo-benefício.

“Se a pessoa estiver necessitando muito do dinheiro, aparentemente vai valer a pena. É simples e rápido para o cliente e para o banco”, afirma Torelli. “Pode ser um bom acordo também se ela tiver um negócio em que já queria investir na estrutura, produtos e etc, e que ela sabe que vai dar uma taxa de retorno que vale a pena”, completa.

O especialista também alerta que muitos cidadãos, por conta da desconfiança com o poder público ou por ansiedade, também acabam pedindo a restituição do Imposto de Renda de forma antecipada - o que representa um risco às finanças pessoais.

“O fator emocional de ter o dinheiro antes pode iludir a pessoa. Se ela estiver bem financeiramente, não precisa da antecipação”, diz Murilo Torelli.

Considere outras modalidades de empréstimo

Antes de bater o martelo e solicitar a antecipação da restituição do Imposto de Renda 2019 ao banco, avalie outras linhas de empréstimo de mais qualidade que podem sair mais ‘em conta’ ao final da operação.

O crédito consignado ou o empréstimo com garantia são opções que podem render ao contribuinte um volume maior de crédito, com prazos mais longos de pagamento e parcelas mais flexíveis.

Somando-se às condições, o Procon-SP recomenda também que se observe os tributos que a instituição pode embutir na cobrança mensal e compará-los com o que será cobrado em outras modalidades de empréstimo -  como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e tarifas bancárias, por exemplo.

A união de todos esses valores gera o Custo Efetivo da Operação (CET) - que representa o quanto realmente custará receber o dinheiro de forma antecipada.

“Geralmente, nos primeiros 30 dias (após contratado o empréstimo) corre o IOF. Ou seja, no primeiro mês o banco vai cobrar um valor a mais junto com os juros por antecipar o IR por conta desse imposto”, detalha Murilo Torelli, da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Se tiver dúvidas quanto ao custo total de se tomar o empréstimo, questione o banco.

Fique atento à malha fina

Um alerta se faz também sobre o risco do contribuinte cair na malha fina e se complicar com o banco.

Caso seja questionado pela Receita Federal e não faça a retificação ao longo do ano, a pessoa poderá ter o valor da restituição na conta somente a partir de 2020, quando serão liberados os lotes residuais.

Até lá, os juros firmados em contrato com a instituição financeira serão descontados mensalmente do cliente - o que pode complicar as finanças e causar um mau endividamento.

“O contribuinte não sabe exatamente em qual lote ele vai cair, então pode ficar até 10 meses pagando juros”, atenta o professor Murilo Torelli. “Se estiver na malha fina, pode postergar ainda mais o recebimento e a dívida acaba crescendo”.

Caso você tenha contratado uma linha de crédito em 2018 e ainda não tenha enviado o informe ao Leão, leia o conteúdo sobre como declarar o empréstimo no Imposto de Renda para evitar o risco de cair na malha fina.

[table id=32 /]

Receba conteúdos exclusivos

Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.

  • 0 Likes
Thiago Fadini

Escrito por Thiago FadiniRepórter da Revista Digital Creditas. Conectado à economia, política, novos negócios e, nas horas vagas, metido a comentarista esportivo.

Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010