Revolucionando o empréstimo no Brasil
Economia

Da Previdência ao preço da gasolina: como a economia está reagindo

Ataques de drones a petroleira na Arábia Saudita aumentou o preço do petróleo - e dos combustíveis; enquanto isso, reformas avançam no senado e juros caem

Escrito por Portal Exponencial em 19.09.2019 | Atualizado em 24.09.2019

  • 0 Likes

Em meio a tribulações políticas e econômicas, a semana foi de acontecimentos importantes por todo o mundo. De ataques de drones a petroleiras até a tramitação da reforma da previdência no Senado, muitos desses eventos impactam diretamente no futuro da economia brasileira e também o bolso do consumidor - as contas do governo podem melhorar, mas o preço da gasolina pode aumentar.

“Existe um cenário de instabilidade e volatilidade sobretudo em relação à expectativa futura do preço do petróleo, que deve ser maior no curto prazo até que a Arábia Saudita consiga determinar em termos de sinalização para o mercado sua capacidade de restabelecimento da produção de petróleo”, afirma Gilberto Braga, economista e professor do Ibmec-SP.

[hubspotemdeb title="Assine a Newsletter Creditas!" subtitle="Receba conteúdos exclusivos dos nossos especialistas em finanças"]

O cenário externo

Os ataques de drones às instalações da petroleira estatal Aramco, na Arábia Saudita, no fim de semana, provocaram uma disparada nos preços do petróleo. O barril de Brent teve a maior alta durante uma sessão desde a Guerra do Golfo, em 1991.

Isso porque os danos cortaram pela metade a produção do maior exportador mundial de petróleo. Com menos oferta, mas com a mesma demanda, os preços subiram.

O ataque pode ter efeitos positivos para o governo brasileiro. Os mega-leilões de áreas de exploração de óleo e gás no Brasil devem tornar-se mais atraentes para grandes petroleiras internacionais - afinal, aqui a exploração de petróleo se dá em uma região que não enfrenta nenhum tipo de tensão geopolítica.

Deve aumentar ainda a arrecadação dos governos federal, estaduais e municipais com royalties e participações especiais pagas pelas petroleiras que atuam no país.

“A Arábia Saudita era vista como uma base em que se acreditava que a presença de tropas americanas e do apoio dos EUA estivesse mais bem protegida”, explica Braga. “Há a partir de agora um temor de que mesmo com o restabelecimento da produção, ela estará vulnerável e essa vulnerabilidade não estava precificada”, diz o especialista. E é isso que pode afetar o preço da gasolina.

Leia também: Quais são os rumos da economia brasileira, segundo Otaviano Canuto, ex-Vice Presidente do Banco Mundial.

O preço da gasolina

Pois é. Se o barril do petróleo fica mais caro, é esperado que essa alta seja repassada ao consumidor no produto final: ou seja, no preço da gasolina. E isso já aconteceu. Na última quarta-feira 18, a Petrobras anunciou o reajuste de 3,5% no litro da gasolina e de 4,2% no litro do diesel.

Para o consumidor final, em cima desses valores ainda são acrescidos encargos tributários e trabalhistas e as margens de lucro dos postos de combustíveis.

“O petróleo ainda é uma matriz presente e importante dentro da economia brasileira. Isso interfere no frete, no preço dos insumos e matérias-primas que usam seus derivados. Tem um forte poder inflacionário”, diz Braga.

Queda dos juros

Outro acontecimento de grande impacto na economia brasileira foi o novo corte da taxa básica de juros, a Selic, de 6% para 5,5% ao ano. Em comunicado, o Banco Central afirmou que há "retomada do processo de recuperação da economia brasileira" de forma gradual, e que diversos indicadores de inflação estão "em níveis confortáveis".

Apesar disso, o próprio comunicado mostra que o novo corte também está atrelado a fatores que não refletem otimismo em relação à economia: atividade fraca, mercado de trabalho que não dá sinais de recuperação e economia global em desaceleração contribuindo para a ausência de pressão inflacionária no Brasil.

Vale lembrar que a Selic funciona como um parâmetro para as outras taxas do mercado e está relacionada a outros indicadores. Quando a taxa está em um patamar mais baixo, as pessoas são estimuladas a consumir e as empresas conseguem crédito com taxas de juros menores.

Reforma da Previdência

Enquanto isso, no Congresso, a reforma da Previdência chegou, enfim, ao Senado. E o  relator da reforma, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), rejeitou todas as emendas que o texto recebeu no plenário que poderiam desidratar a proposta. Ele também fez uma alteração de redação proposta para evitar que o projeto volte para a Câmara dos Deputados.

A ideia é fazer com que o texto não tenha que voltar a ser votado pela Câmara, conferindo mais agilidade para a aprovação final da reforma, que prevê uma economia de R$ 876,7 bilhões em dez anos.

O que vem por aí

Para Braga, a expectativa para esse fim de ano é positiva. “[É positiva] dentro da linha do avanço da reforma da Previdência e da reforma tributária que começa efetivamente a crescer dentro do Congresso”, fala o economista.

Em termos  gerais, o economista avalia que a performance atual está aquém do que fora projetado há nove meses - e que era esperado para 2019. Mas, por outro lado, o especialista observa que a economia cresce em ritmo lento, mas gradual, e fechará o ano dentro de um cenário positivo, após ter patinado por muito tempo - principalmente após a grave recessão iniciada em 2014. 

Para 2020, a projeção é de melhora no setor econômico e de crescimento mais efetivo no PIB - em torno de 2%, segundo últimas avaliações do boletim Focus, do Banco Central.

Receba conteúdos exclusivos

Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.

  • 0 Likes
Portal Exponencial

Escrito por Portal ExponencialPortal Exponencial

Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010