Revolucionando o empréstimo no Brasil
Crédito e empréstimo

Empréstimo consignado: o que você precisa saber antes de solicitar

Uma das modalidades com taxas de juros mais acessíveis, o crédito consignado tem crescido no Brasil - especialmente entre os idosos. Entenda como funciona

Escrito por Paula Bezerra em 18.02.2019 | Atualizado em 24.09.2019

  • 0 Likes

O cenário econômico deu indícios de melhora em 2018, mas não foi o suficiente para frear a taxa de desemprego. Segundo o IBGE, em dezembro, cerca de 12 milhões de pessoas estavam fora do mercado de trabalho. O alto índice de desemprego corroborou com a queda da renda dessas pessoas e trouxe um novo contexto para as famílias. Agora, entes como os pais aposentados passaram a ser fonte de renda da casa. O reflexo disso foi observado no aumento do pedido de empréstimo consignado para os beneficiários do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

Apenas no primeiro semestre do ano passado, o Banco Central relevou que o volume de dinheiro solicitado nessa modalidade havia subido 4 bilhões de reais, totalizando um montante de 30,2 bilhões de reais, concedidos aos aposentados. Já no acumulado de 10 meses, o valor já havia crescido no patamar de 20%.

“Infelizmente, muitos avós passaram a assumir contas de outras pessoas - como filhos -, seja pelo desemprego ou queda na renda”, diz Karoline Roma Cinti, consultora financeira e fundadora da Mentory, empresa de consultoria financeira. “Essa questão, a falta de planejamento e adequação de renda no momento da aposentadoria, aumentaram o pedido de empréstimo consignado por idosos.”

Empréstimo consignado: o que é e quem pode solicitar?

O empréstimo consignado é uma modalidade de crédito pessoal concedida para trabalhadores (com algum tipo de vínculo empregatício com uma empresa, seja pública ou privada) e beneficiários da previdência social INSS. A grande diferença desse modelo de empréstimo para o crédito pessoal não consignado é a forma de pagamento: no consignado, o banco e/ou instituição que ofereceu o crédito descontará as parcelas do empréstimo diretamente do salário do solicitante.

Por ser vinculada ao salário, as entidades que oferecem o crédito têm o risco do calote reduzido, o que torna as taxas dessa modalidade mais baixas que a do empréstimo pessoal e a do cheque especial. Enquanto em dezembro de 2018 a taxa de juros anual do cheque especial somou 312,60%, o consignado (setor privado) foi cotado em 37,24%, e a do consignado INSS 25,26% (ao ano). Em comparação ao crédito pessoal, a diferença também é grande: a modalidade de não consignado encerrou 2018 com uma taxa acumulada em 107,3% ao ano.

“Como é descontado em folha, o empréstimo consignado é um crédito mais barato e menos burocrático”, explica a especialista. “O que o solicitante deve ficar atento, porém, é que com essa modalidade não há a opção de deixar de pagar: o valor da parcela é descontado direto da folha de pagamento”, completa.

Segundo o Banco Central, não há algum normativo feito pela instituição ou pelo Conselho Monetário Nacional que estipule um valor máximo de comprometimento de renda do assalariado, para que ele quite o empréstimo. Porém, a Lei 13.172, de 2015, estabeleceu que “o limite máximo de amortização em operações de crédito nos proventos e/ou benefícios dos servidores públicos federal, dos trabalhadores regidos pela CLT e dos aposentados do INSS, é de 35%”, aponta o BC em nota oficial em seu site.  

Ainda de acordo com a instituição, 5% é destinada exclusivamente para despesas e saques com cartão de crédito. Já em relação aos limites de descontos e retenções ao servidores públicos, pode ficar a critério dos Estados e municípios em que os servidores trabalham.

Prós e contras: quando o crédito consignado vale a pena?

Para a especialista em planejamento financeiro Karoline Roma Cinti, é preciso avaliar muito bem antes de solicitar um empréstimo consignado, principalmente para que o crédito não vire um problema, em vez de solução. Segundo Karoline, muitas pessoas tomam o empréstimo para apagar algum “incêndio”, como refinanciar dívidas, pagas contas atrasadas e/ou tirar a conta do vermelho. A medida, no entanto, pode ser ainda mais prejudicial.

“A pessoa deve fazer o dever de casa antes de tomar o empréstimo: analisar as contas para entender se o crédito vai solucionar o problema, ou se tornar uma bola de neve”, explica. “Isso porque uma parte do salário ficará comprometida mensalmente para quitar as parcelas. Se a pessoa não se organizar para isso, poderá se enrolar ainda mais”, indica.  

Exemplo disso é que a inadimplência entre idosos  - população de 65 a 84 anos - aumentou consideravelmente no ano passado. Da mesma maneira que os integrantes da terceira idade têm pedido mais empréstimo consignado, análises elaboradas pelo SPC Brasil em parceria com a CNDL evidenciam que a inadimplência na terceira idade é a que mais está crescendo. Em 2018, por exemplo, o aumento no número de idosos com contas em atraso somou 11,35%, quando comparado com 2017.

A falta de planejamento da aposentadoria, somado a dificuldade de organização financeira e a lenta recuperação econômica têm elevado os índices de endividamento entre essas pessoas. Em casos de refinanciamento de dívida, ou de renda mensal curta, recomenda-se buscar linhas de crédito com taxas de juros menores, mas que não corroem o salário - como, por exemplo, empréstimo com garantia. Isso faz com que as parcelas do crédito não comprometam ainda mais a renda e contribua para um fluxo de caixa saudável.

Segundo Karoline, uma maneira de não ficar mal-endividado ao tomar o empréstimo é analisar se ele será usado para agregar, ou seja, aumentar o poder de renda e/ou gerar renda extra, investir em um negócio, e etc. Além disso, a especialista afirma que antes de solicitá-lo, é preciso sempre avaliar o estilo e custo de vida do indivíduo, principalmente para entender se a renda que será destinada para pagar a parcela do consignado não fará falta para contas básicas.  

Por isso, a consultora reforça a importância de estruturar um controle dos gastos, manter um planejamento financeiro a longo prazo e guardar uma reserva para eventuais emergências. Dessa forma, o crédito de má qualidade não será acionado para resolver problemas do curto prazo.

“O crédito é considerado bom quando ele é destinado a um fim que venha para somar e agregar, com objetivo de construir, melhorar algo e/ou gerar nova fonte de renda”, diz. “Afinal, sem o crédito, muitas pessoas não conseguem construir algo, alcançar objetivos e, até mesmo, realizar sonhos.”

 

Receba conteúdos exclusivos

Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.

  • 0 Likes
Paula Bezerra

Escrito por Paula BezerraEditora da Revista Digital Creditas, jornalista de coração e alma. Escreve sobre finanças, inovação, economia, cultura e o que mais der na telha.

Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010