Revolucionando o empréstimo no Brasil
Creditas
Creditas
Finanças

Aposentadoria: por que o planejamento é o melhor caminho

Mais da metade dos brasileiros não poupa para a aposentadoria. Descubra porque é importante se programar para não depender apenas da previdência social

Escrito por Paula Bezerra em 23.01.2019 | Atualizado em 12.04.2019

  • 0 Likes

A terceira idade é vista por muitos como o momento de tirar os sonhos do papel. Ideias como viajar, curtir os netos e, até mesmo, descansar e desintoxicar da rotina estressante do mercado de trabalho fazem parte da pauta dos que estão próximos da aposentadoria. Mas, se no imaginário social ser aposentado é sinônimo de relaxar e curtir a vida, para muitos brasileiros, a realidade é outra.

O mau planejamento financeiro faz com que muitos idosos continuem trabalhando e/ou sejam a fonte de sustento da família. É o que mostra uma análise realizada pelo Serviço de Proteção de Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Segundo o levantamento, que foi divulgado no final do ano passado, 43% dos brasileiros acima de 60 anos são os principais responsáveis pelo pagamento de contas e despesas da casa. De um modo geral, 91% dessa parte da população continua contribuindo ao orçamento da casa.

A crise econômica e a mudança demográfica da população foram fatores que contribuíram para o atual cenário - principalmente porque o número de pessoas na terceira idade têm aumentado exponencialmente no país. Porém, a falta de planejamento e de educação financeira ainda é o principal problema para esse resultado.

Para Fábio Galo, doutor em economia e professor da FGV-EAESP, um dos grandes problemas desse tema no Brasil é que parte da população espera viver a aposentadoria apenas com o dinheiro da previdência social.

Em muitos casos, porém, o valor pago ao contribuinte não é o suficiente para o sustento dele e/ou da família. “Quando a pessoa vai se aposentar, ela cria um imaginário de como quer estar nessa fase. Mas, ao mesmo tempo, não se prepara para isso”, explica o especialista. “Por isso que o número de aposentados trabalhando tem aumentado: a renda não é o suficiente.”

[hubspotemdeb title="Assine a Newsletter Creditas!" subtitle="Receba conteúdos exclusivos dos nossos especialistas em finanças"]

Aposentadoria: por que é arriscado depender apenas da previdência social

Em pauta desde governos anteriores, a reforma da previdência é um dos principais entraves atuais da economia brasileira. E os números endossam o problema: considerando o regime de previdência dos servidores da União, o déficit em 2018 pode ter chegado a 226,8 bilhões. Em 2017, o rombo somou 182 bilhões para as contas públicas.

Entre os motivos para o problema da previdência social ter chegado a esse nível está o fato de os brasileiros estarem vivendo mais - e, consequentemente, o governo estar desembolsando mais dinheiro para o INSS. Um levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), por exemplo, revela que 89% dos aposentados hoje vivem apenas com a renda vinda da previdência pública.

A pesquisa, que foi divulgada no segundo semestre de 2018, revela outro dado alarmante: mesmo com a polêmica da reforma da previdência, as pessoas ainda contam apenas com o recurso público para passar o período da aposentadoria: mais da metade dos brasileiros não está poupando para quando o momento chegar.

Em nota, Ana Leoni, superintendente de educação e informações técnicas da Anbima, afirmou que a organização financeira para a terceira idade é fundamental, principalmente em um momento de grande discussão e preocupação com a previdência pública.

“O planejamento financeiro é fundamental, principalmente com a iminência de uma reforma nesse setor”, disse. “Não importa a fase da vida em que a pessoa esteja, nunca é cedo ou tarde demais para começar a poupar.”

Aprenda a se planejar

De acordo com Galo, o primeiro passo para estruturar o planejamento da aposentadoria é vislumbrar a vida que quer levar como aposentado. Em qual grau de bem-estar você deseja ter quando essa fase chegar? Atenção: para atingir um bom nível de bem-estar não é necessário, por exemplo, ter muito dinheiro - e, sim, ter quantia suficiente para atingir os objetivos.

A partir desse momento, o especialista indica que é importante estabelecer o valor que te ajudará a manter um padrão de vida estável, assim como deixar uma reserva para emergência. “Vamos supor que a pessoa quer juntar 500 000 reais para a aposentadoria. Quanto mais cedo ela começar a juntar a quantia, melhor”, explica. “Traçar objetivos e metas é melhor em longo prazo.”

Isso porque a falta de um bom planejamento implica no chamado “custo de espera”: quanto mais tarde um indivíduo começa a guardar dinheiro para a aposentadoria, mais ele vai desembolsar em curto prazo. 

“Existem casos em que se houvesse planejamento, a pessoa poderia poupar, por exemplo, 143,06 reais ao mês para, aos 60 anos, ter o montante planejado. Quando deixa para depois, os 143,06 reais podem se transformar em mais de dois mil reais por mês”, diz o economista. “Para muitas realidades, essa quantia mensal não é factível.”

Para não ser surpreendido negativamente no custo da espera, o ideal é separar, regularmente, uma quantia fixa destinada à aposentadoria. Além disso, sempre que possível, é importante revisar a estratégia, os planos, e fazer as contas para entender se a quantia poupada é o suficiente para atingir os planos futuros.  

Outra recomendação é separar a aposentadoria em fases. A medida ajuda prever melhor as despesas - por consequência, a ter um bom planejamento. Por exemplo, o início da aposentadoria é mais marcada por despesas para realizar sonhos, como viajar, ficar com netos, entre outros. Já na segunda fase, o aposentado, por estar mais velho, passa a gastar mais com plano de saúde, remédios e contas médicas.

“Tudo isso irá ditar o quanto a pessoa precisa acumular para manter o padrão de vida. Por isso é importante separar a aposentadoria em fases”, conclui.

Com o planejamento adequado, a aposentadoria pode, sim, ser a melhor fase da vida.

Receba conteúdos exclusivos

Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.

  • 0 Likes
Paula Bezerra

Escrito por Paula Bezerra

Editora da Revista Digital Creditas, jornalista de coração e alma. Escreve sobre finanças, inovação, economia, cultura e o que mais der na telha.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010